Pular para o conteúdo principal

Seu Sebastião



          Seu Sebastião era uma dessas pessoas pacatas, com aparência de agricultor, daqueles que parecem ter todo o tempo do mundo à sua disposição: calmo, de boa aparência – aparência de lavrador, óbvio.. Faltava, para completar o quadro, apenas um “picadão” na mão e um chapéu de palha na cabeça. Morava numa cidade pequena, próxima a Campinas.
          Um filho seu, já maior de idade, mas que morava com os pais, começou a portar-se mal, culminando por ser denunciado e processado por tráfico de entorpecente. Começaram a partir daí as desavenças entre ambos.
          Uma noite desentenderam-se mais uma vez e Seu Sebastião, com uma faca na mão, investiu contra o filho, que saiu correndo da casa, sendo perseguido por seu pai. Corriam em volta da casa; Seu Sebastião alcançou-o e desferiu-lhe uma facada, uma só, mas que foi certeira, atingindo o coração. O filho morreu; o pai foi preso em flagrante.
          A cena fora presenciada por um genro de Seu Sebastião, que se achava no local e a descreveu ao Delegado de Polícia.
          Durante a instrução do processo, ele negou, quando de seu interrogatório judicial, haver esfaqueado o filho: formulando uma versão estapafúrdia, dizia que o filho é que estava armado e que investira contra ele, acabando por ter a faca enterrada no peito por acidente durante a luta corporal entre ambos. Nessa época, a defesa somente passava a trabalhar após o interrogatório judicial. O genro, ouvido em juízo, confirmou aquilo que dissera ao Delegado.
          Foi pronunciado, homicídio simples. No dia de seu julgamento pelos sete jurados, antes de iniciar-se, fui conversar com ele na pequena cela do primeiro andar do fórum. Expliquei que faria a sua defesa com base no homicídio privilegiado: crime praticado “sob o domínio de violenta emoção, logo em seguida a injusta provocação da vítima”[1]. Tinha um bom argumento: o fato do filho estar envolvido em tráfico de entorpecente. Mas, para adotar essa tese, expliquei-lhe, ele deveria admitir que desferira a facada em seu filho. Ele me afirmou que não fora ele, repetindo a versão que dissera ao juiz quando interrogado. Repliquei, dizendo-lhe: “o seu genro vai depor hoje e dizer que o senhor correu atrás de seu filho com a faca na mão, desferindo a facada quando o alcançou”. “Não foi assim, doutor”, ele respondeu, “o meu filho é que estava com a faca na mão”. Desisti de convencê-lo.
          Ouvido em plenário, ele negou que houvesse desferido a facada, ou seja, manteve aquela versão fantasiosa. O genro descreveu como os fatos ocorreram: a perseguição, a facada. Falei, assim mesmo, do homicídio privilegiado.
          De nada adiantou: punindo-o mais, acredito, pela mentira apresentada, os jurados condenaram-no por homicídio simples, e o juiz lhe impôs a pena mínima, 6 anos, a ser cumprida inicialmente no regime semi-aberto, conforme cabível.
            











[1] . Artigo 121, parágrafo 1°, do Código Penal. Reconhecido o homicídio privilegiado, a pena do homicídio simples (ou mesmo do qualificado, conforme o entendimento a que se filie) deve ser diminuída entre um terço e um sexto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …