Pular para o conteúdo principal

A assessora parlamentar, o Marquês de Sade e Sacher-masoch

Ela era assessora parlamentar e tão logo surgiu foi eleita a musa da CPI (do Cachoeira). Sim, o parlamentar que ela assessorava compunha a CPI. Num descuido (será que foi descuido?), um vídeo em que ela aparece em poses eróticas foi posto na internet (Youtube, por exemplo) e ela perdeu o cargo. Mas ela se vingou: noticia a mídia que ela posou num "ensaio" para uma revista masculina, em que foi clicada seminua. Algumas fotos já foram exibidas por jornais e revistas e ele aparece trajada em biquini de couro, algemas e um chicotinho.
Imediatamente, ao ver as fotos, lembrei desses dois (por assim dizer) ícones, o marquês de Sade e Sacher-Masoch. O primeiro é demais conhecido e o termo "sadismo" é derivado de seu nome, uma tara em que geralmente o prazer sexual está condicionado à imposição de sofrimento físico ao (à) parceiro (a). Já do nome do segundo, que era jornalista e escritor austríaco, Leopold Ritter von Sacher-Masoch, surgiu o termo masoquismo, que é ligado à ideia de sofrer dor física para atingir o prazer. Um livro de Direito Penal ("Comentários", de Nelson Hungria), registra que ele padecia desse mal, porém outras fontes dizem que o termo derivou de um personagem de seu livro, "A Vênus de peles"", em que esse personagem atinge o prazer sexual após ser surrado pelo marido de sua amante.
A roupa de couro em geral é excitante, posto que geralmente é bem justa e assim realça as formas de quem as traja. As algemas remetem ao masoquismo, pois - imagino - não é confortável usar essas "pulseiras de ferro"- se mal ajustadas, podem causar lesões nos pulsos das pessoas  -e, ainda mais, durante a conjunção carnal. Já o uso chicote se ajusta à ideia do sadismo, pois, porque alguém praticaria um ato sexual assim armado? É certo que para alguns o ato sexual já é um sofrimento em si, mas este é outro assunto.
O Direito Penal se interessa por este tema, pois a integridade corporal é um bem indisponível e se alguém permitir que outrem o lesione, essa permissão (consentimento) não tem nenhuma validade, que forma que o que pratica a lesão responderá criminalmente.
Mas a bonita (e sexy) ex-assessora poderia fazer um bom uso - que não sexual - das algemas e do chicotinho: utilizá-los nos parlamentares da CPI (de toda e qualquer CPI) que desconhecerem o direito de qualquer pessoa tem de não fazer prova contra si mesmo, de forma que, cada vez que o STF conceder uma medida liminar em "habeas corpus" para que o convocado permaneça em silêncio e algum parlamentar se insurgir contra isso, ele seja algemado e vergastado. Talvez depois disso eles resolvam ler a Constituição que juraram respeitar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …