Pular para o conteúdo principal

A supermãe


                         Dona Vanderli foi acusada de haver cometido um crime de homicídio simples, na forma tentada.
                        Por essa ocasião, o juiz titular da Vara do Júri da comarca de Campinas, José Henrique Rodrigues Torres, numa atitude inédita, no ato do recebimento da denúncia já nomeava a PAJ para atuar na defesa do réu, devendo estar presente quando da realização do interrogatório judicial[1], sem prejuízo de que o réu contratasse um defensor particular. Participei de seu interrogatório judicial, tendo, evidentemente, conversado com ela antes.
                        A história era muito boa para a defesa: uma pessoa do bairro em que ela morava começou a cobrar “pedágio” das pessoas que passavam pela rua e uma das vítimas dessa “cobrança” foi um filho de Vanderli: o rapaz, porém, não tinha dinheiro e foi praticamente deixado de cueca, quase nu. Ao chegar em casa, narrou o fato à mãe. Ela foi conversar com o “cobrador”, pedindo a ele que não mais fizesse aquilo e, como resposta, foi destratada e ameaçada: ele afiançou que faria novamente e contra ela também, se fosse o caso.
                        Ela adquiriu uma arma de fogo e foi naquela noite aguardar a chegada do filho no ponto de ônibus, para, praticamente, escolta-lo. Foram ambos caminhando em direção à casa quando surgiu o “cobrador”, dizendo que queria o dinheiro. Dona Vanderli disse ao filho que atirasse a carteira em que estava o dinheiro ao chão, o que ele fez. Quando o “cobrador” – e vítima – abaixou-se para apanhar a carteira, ela sacou a arma e descarregou-a, acertando-o várias vezes (detalhe mórbido: um dos projéteis atingiu o seu membro viril; outros, o seu rosto). Ele foi socorrido e não morreu. Morreu meses depois, vítima de outros tiros disparados por outra pessoa (no inquérito instaurado para apurar a sua morte, constou que ele fora “executado”).
                        No interrogatório judicial de Dona Vanderli, aconteceu um fato no mínimo curioso: ao ser indagada pela juíza onde adquirira a arma, ela, apontando para o Largo do Rosário – bem defronte o fórum – disse: “ali” (nessa época – e ainda hoje – funciona ali um autêntico “mercado de objetos subtraídos” ou “receptódromo”- debaixo dos olhos vendados da deusa Têmis).
                        Foi pronunciada por homicídio simples tentado e, submetida a julgamento mais de 10 anos após o fato, o Ministério Público pediu a sua absolvição, com base na legítima defesa própria, no que foi secundado pela defesa. A contagem foi sete votos a zero: absolvida. Foi o primeiro julgamento realizado no plenário da Cidade Judiciária de Campinas.
                        Detalhe que a ninguém interessou: a arma de fogo que ela afirmou ter utilizado na prática do fato, um revólver calibre 38, tinha capacidade de seis tiros; no entanto, a vítima tinha nove ferimentos de entrada de projétil de arma de fogo.
                        Este julgamento foi o primeiro realizado no plenário da Cidade Judiciária e Campinas.




[1] . Isto veio a se tornar obrigatório, o réu ter defensor já no interrogatório, por força da Lei 10.792/03.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …