Pular para o conteúdo principal

Jeremy Bentham, a crise no sistema penitenciário e os “mensaleiros”


      Os sistemas de cumprimento de pena privativa de liberdade – ou sistemas penitenciários - são três e dois deles foram criados nos EUA, em estados limítrofes. O filadélfico ou pensilvânico, conforme o nome logo demonstra, nasceu no estado da Pennsylvania, na Walnut Street Jail, em 1776. Neste sistema, destacou-se uma penitenciária, a Eastern State Prison, na Filadélfia, hoje museu. O outro, auburniano, surgiu no estado de New York em 1797. O terceiro, chamado de progressivo ou irlandês, é em realidade um “grupo de subsistemas” criados a partir do século seguinte. Pelo primeiro sistema, o encarcerado cumpria a sua pena em isolamento total. No segundo, o condenado ficava em silêncio todo o tempo – daí o nome “silent system”. Pelo terceiro, os condenados iam “progredindo” durante o cumprimento da pena.
     Jeremy Bentham foi um filósofo inglês, apontado como o mais importante do utilitarismo. Em 1789 ele criou o panóptico, uma construção circular em que o diretor conseguia, de sua sala, enxergar todas os “internados”. Não era destinado exclusivamente a criminosos, porém, quanto ao seu uso como presídio, diz o filósofo, “uma casa penitenciária  mais particularmente é (desculpe, devo me corrigir e dizer: deveria ser) o que toda prisão poderia e, em algum grau, ao menos deveria ser: planejada ao mesmo tempo como um local de custódia segura e como um local de trabalho” (“O panóptico”, página 29). Pan-óptico: ver tudo, enxergar tudo.
     O Brasil adotou um sistema progressivo de cumprimento de pena privativa de liberdade. Com a reforma da Parte Geral ocorrida em 1984, a pena privativa de liberdade deve ser cumprida sob a forma de regimes: fechado, semi-aberto e aberto. Inicia-se o cumprimento em um deles e progressivamente vai sendo promovido a um menos severo. Exemplo: condenado a mais de 8 anos de reclusão, a pena deve ser inicialmente cumprida no regime fechado e depois de cumprida uma parte (1/6) e preenchidos outros requisitos, o condenado é promovido ao regime semi-aberto.
     O Brasil vive uma crise no sistema carcerário e isso faz muito tempo. Uma CPMI em 2008 investigou o sistema carcerário e apontou todas suas as mazelas: ela produziu  um videoclipe mostrando certas prisões e ele é impressionante. Uma CPMI (ou CPI), costuma dizer a voz popular, “não dá em nada”: nem pode dar, pois é simplesmente investigativa. Das suas conclusões saem sugestões de punições e/ou da produção de novas leis.
     O que se observa na criação de Bentham – apontada por Foucault como uma forma de controle e vigilância totais – é que o diretor (ou quem faça as suas vezes) nunca perde o condenado de vista, sempre observando-o e controlando os seus movimentos. Os presídios brasileiros têm uma arquitetura exatamente contrária ao  panóptico: o diretor não sabe nunca o que acontece no interior do presídio. Por vezes, nem os guardas penitenciários (chamados de agente de segurança penitenciária) sabem. Antes de que acontecessem rebeliões, a administração do estabelecimento carcerário (diretoria) ficava no mesmo prédio em que estavam as celas; depois delas, deslocou-se do prédio e foi parar quase na rua. Ninguém vê nada.
     Uma das razões para que as prisões estejam caóticas e não ressocializem ninguém (fato somente agora percebido pelos petistas José Eduardo Martins Cardozo [ministro da Justiça] e Dias Tóffoli [ministro do STF] por conta da condenação de "companheiros" réus na AP 470 ["mensalão"]) talvez seja esta: não há absolutamente ninguém vendo (observando, segundo queria Bentham) o que acontece no interior dos presídios. O consumo de drogas, a posse e o uso de celulares, a extorsão são acontecimentos corriqueiros.
     Seria melhor repensar a arquitetura dos presídios e aplicar os 3/5 do orçamento que não foram aplicados pelo governo federal nessa nova arquitetura. Talvez seja um começo de solução.


    

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …