Pular para o conteúdo principal

Um país de adivinhos


       De vez em quando surge uma categoria profissional nesta “nossa terra descoberta por Cabral” que passa a ser o centro de atenção da mídia, dando entrevistas em todos os meios de comunicação. Durante uma época foram os economistas – e, em certa medida, ainda são, como neste período do pagamento do 13º salário (o que fazer com ele?, esses profissionais estão sempre aconselhando). O “czar da economia brasileira” durante um período do regime militar, o todo-poderoso Delfim Netto (que nem economista era...), disse, certa vez, que “o economista prevê o passado”, em tom de blague, evidentemente.
           De um tempo até os presentes dias, duas categorias disputam palmo a palmo a atenção da mídia: o tal “cientista social” e o “consultor de segurança”. Quando ocorrem as eleições, os cientistas sociais estão onipresentes na imprensa tentando interpretar a manifestação do eleitorado, ou, ainda, numa tarefa hercúlea, interpretar os dados das (quase sempre equivocadas) pesquisas eleitorais. Quando aumenta o índice da criminalidade - o que tem acontecido amiúde -, são os “consultores de segurança” que “roubam” (desculpem o trocadilho...) a cena. Um deles, que atua numa rede de televisão nacional, era, até outro dia, repórter policial e hoje dá ”consulta” sobre segurança. Valha-me Deus... Outro, que se auto-intitulava “doutor segurança”, dava os conselhos mais evidentes sobre cuidados que as pessoas devem tomar no dia-a-dia para não se tornarem vítimas. Até um infante faria melhor. Certo dia acessei o "site" deste personagem e numa de suas crônicas estava posta uma frase dita, segundo o "doutor segurança", por Gabriel Garcia Marquez antes de morrer: o colombiano premio Nobel de literatura ainda estava vivo e o "doutor segurança" desconhecia isso...Vejam o nível de cultura desses "consultores" a que estamos expostos. Ademais, para que alguém diga algo depois de morrer só se for psicografando...
            Porém, ninguém supera a "nova safra", a dos adivinhos jurídicos, especialmente no ramo do Direito Penal: eles são os campeões de proferir tolices.  Alguns exemplos do que disseram os adivinhos e todos referentes ao julgamento da AP 470 (“mensalão”):
            1) o ministro Joaquim Barbosa corria o risco de não ser eleito presidente do Supremo Tribunal Federal por conta dos seus sucessivos ataques de mau-humor no julgamento dessa ação: nada mais equivocado, porque a eleição é meramente formal, seguindo um critério rotativo; além de errarem na previsão, mostraram o quão são ignorantes no tema;
            2) os ministros do STF nomeados pelos governos do PT (Lula e Dilma), em número de 8, absolveriam todos os “mensaleiros-companheiros”; a realidade mostrou algo completamente diferente, “quebrando a cara” dos astrólogos jurídicos;
            3) todos os réus seriam condenados a penas mínimas, o que faria com que a punibilidade fosse extinta pela prescrição retroativa, e, com isso, teria sido montado um alegre “faz-de-conta”; a fixação das penas mostrou algo totalmente diverso, com reprimendas altíssimas.
            Pois é: surgiu uma nova raça, uma nova praga, aliás, a dos futurólogos jurídicos e que, infelizmente, não está em extinção, pois tem plena aplicação o ditado “Deus os faz e eles se juntam” – eles surgem e a mídia adora ouví-los, garantindo-lhes um grande espaço em sua programação.
            E “pelo andar da carruagem” (como se dizia no meu tempo de criança), parece que essa nova espécie nunca entrará em risco de extinção. Infelizmente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …