Pular para o conteúdo principal

156 anos de reclusão


 
            Depois de duas décadas, finalmente – para alguns -, realizou-se o primeiro dos julgamentos dos policiais militares que participaram da invasão na Casa de Detenção, resultando na condenação deles a penas altíssimas: 156 anos de reclusão, regime inicial fechado.
            O surpreendente nesse julgamento foi os sete jurados, representando a sociedade de que fazem parte, não terem concordado com as mortes, embora estas se tenham dado no interior de um presídio e, assim, as vítimas serem todas “bandidos”, conforme a voz corrente. Os “juízes de fato” não se deixaram levar pela mídia torta que ignora o princípio da presunção de inocência, acolhido na Constituição, para quem uma simples suspeita torna a pessoa “bandido”, quando não chamada por outros nomes mais ofensivos.
            Já abordei algumas vezes aqui o tema “cumprimento da pena”: conforme determina o artigo 75 do Código Penal, ninguém poderá ficar privado da liberdade por mais de 30 anos; caso a pessoa seja condenada a uma pena maior, será feita uma unificação a fim de que ela cumpra os 30. Tudo muito claro. A clareza começa a esvair-se quando a pena (ou penas, em caso de concurso de crimes) supera o limite legal e o condenado tem direito a benefícios legais. Por exemplo, progressão de regime. Como dito antes, os policiais militares foram condenados a 156 anos no regime inicial fechado e essa pena será unificada para 30. Depois de cumprirem 1/6 da pena poderão progredir ao semi-aberto. Sobre qual total incidirá a porcentagem? Para Mirabete, deveria incidir sobre a pena unificada, no caso, 30 anos. Para Damásio, deveria incidir sobre a pena total, 156 anos. Para Mirabete, poderiam progredir depois de cumprirem 5 anos; para Damásio, depois de 26 anos.
            O Supremo Tribunal Federal em alguns julgamentos manifestou-se pela solução proposta por Damásio, o que torna, na prática, em alguns casos, impossível a obtenção de qualquer benefício legal. Suponhamos o caso do comandante da operação, coronel Ubiratan: ele foi condenado a 632 anos (depois absolvido): para Mirabete, cumpriria 5 anos; para Damásio, mais de 105 anos.
            Foram 13 mortes e a cada morte a pena prevista é de 12 a 30 anos de reclusão. Treze mortes significa um concurso de crimes e este existe sob três formas: material, formal e crime continuado. Pelo primeiro, somam-se as penas de todos os crimes e foi isto o que aconteceu no julgamento. Pelo concurso formal, apanha-se qualquer das penas impostas, se iguais, ou a mais grave, se diversas, e faz-se um aumento que varia de 1/6 até ½; pelo crime continuado, e um dos requisitos desta espécie de concurso é que os crimes sejam idênticos, apanha-se qualquer pena, se idênticas, ou a mais grave, se diversas, e faz-se incidir um aumento que varia entre 1/6 a 2/3.
            O crime continuado poderia ter sido reconhecido (depois da reforma penal de 1984, essa modalidade de concurso pode ser aplicada em qualquer delito, mesmo os contra a vida) e isso importaria na escolha de qualquer das penas (o juiz aplicou-a no mínimo legal, 12 anos) e fazer incidir o aumento máximo (em razão da quantidade de mortes), 2/3, 8 anos, dando uma pena final de 20 anos.
            O crime continuado pode ser reconhecido em grau de recurso e não será assustador se o Tribunal de Justiça de São Paulo, ao julgar a apelação, faça esse (por assim dizer) “ajuste” da pena. Cito como exemplo um caso em que trabalhei e que está no meu livro “Casos de júri e outros casos”, sob o título “Ricardão”.  


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …