Pular para o conteúdo principal

Furtos em lojas do Cambuí

                        
                        Os – como se dizia antigamente – “amigos do alheio” - estão constantemente “migrando” de um artigo a outro do Código Penal. Talvez a (aparente) facilidade de amealhar dinheiro (e valores) seja o princípio motor que faz com que essas pessoas nunca se regenerem e essa ganância provoca a migração.
                        Alguns exemplos ocorridos aqui “na terrinha”: no começo dos anos 2000 Campinas era a capital da extorsão mediante sequestro; depois (ou concomitantemente) vieram os “sequestros-relâmpago”; depois as falsas extorsões mediante sequestro; na sequência, os furtos em caixas eletrônicos, em que o larápios “derretiam” (esta era a gíria que eles usavam) o equipamento utilizando maçarico; com a repressão, passaram a explodir os equipamentos. Furtos e roubos de celulares, “saidinhas” de banco e tudo quanto a imaginação consegue criar.
                        Moro no bairro Cambuí há quase 20 anos e na mesma rua e essas variações de crimes patrimoniais, como em várias outras partes da cidade, puderam ser facilmente percebidas. Pessoas tendo os seus celulares furtados ou roubados; pessoas que sacaram dinheiro de banco sendo abordadas na saída (até morte já houve); caixa eletrônico sendo “derretido”.
                        Algumas infrações penais patrimoniais cheguei a presenciar ou quase presenciar. Há aproximadamente um ano, quando chegava de minha caminhada matinal, por volta de 7 horas, defronte o prédio em que moro fui abordado por um adolescente que havia sido segundos antes despojado, sob ameaça, de seu aparelho celular: ele me pediu ajuda. Eu disse ao porteiro para chamar a polícia militar e avistei o ladrão que, da esquina, nos observava. Gritei com ele e saí em seu encalço: ele desapareceu (suponho que tenha pulado no jardim de alguma casa da rua Américo Brasiliense - ou bateu o recorde dos 100 metros rasos). Em outubro, também voltando da caminhada, fui sacar dinheiro para pagar a empregada e a agência tinha sido furtada: o caixa eletrônico estava aberto e o equipamento usado pelos ladrões fora (como sempre acontece) deixado ali: maçarico, cilindro, banner. A polícia militar chegou em seguida.
                        Há uma nova modalidade de ação dos ladrões no Cambuí: furtos em casas comerciais durante a madrugada. Algumas lojas de sapatos para mulheres (e como há lojas desse tipo no bairro para atender aos anseios das incontáveis Imeldas Marcos) têm sido atacadas pelos larápios; também lojas de roupas são vitimadas. Eles quebram o vidro da vitrine, o alarme dispara e eles, insensíveis ao barulho, pegam o quanto podem e fogem.
                        Em dias próximos, há pouco tempo, duas lojas muito próximas, distantes alguns poucos metros uma da outra, foram atacadas. Numa delas, de sapatos femininos, arremessaram um paralelepípedo contra o vidro, mas este, por ser muito forte, não se rompeu. Na outra, de roupas, as portas foram arrombadas: um veiculo entrou de marcha ré derrubando-as (derrubou até o forro de gesso da loja tal a força do impacto). Nos dois casos passei defronte minutos após o fato ter acontecido. Os proprietários foram obrigados a tomar medidas de proteção, desfigurando as fachadas dos estabelecimentos.
                        A pergunta que deve ser feita: por onde anda a segurança pública. 


Fotos das lojas após as investidas dos ladrões.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …