Pular para o conteúdo principal

As Ordenações Filipinas e a recompensa estatal


 
            Quando o Brasil foi descoberto, passaram a ter aplicação no novo território a legislação do país descobridor, no caso, Portugal. Os códigos portugueses eram chamados de ordenações e em geral levavam o nome do soberano. Havia as Ordenações Afonsinas, as Manuelinas e as Filipinas. Estas últimas continham em seu Livro V as disposições penais e foram as que tiveram mais aplicação no Brasil, de 1603 a 1830. Ler um desses livros em sua linguagem original é um mergulho no passado: ali o pecado era tratado como crime e essa era mesma a nomenclatura: “peccado”. Por exemplo, no Título XIII estava escrito assim: “dos que commettem peccado de sodomia, e com alimarias”. O Direito Penal descaradamente mesclado coma religião católica.
            A pessoa que cometia o crime de “molície”, difícil de ser descoberto, caso fosse condenada, perdia a metade de sua fazenda, entendendo-se por esta palavra o conjunto de bens. Em português, há a palavra “molícia”, que significa a automasturbação (ou onanismo) ou a heteromasturbação. Crime difícil de ser descoberto, e pois, provado, quem ajudasse na elucidação faria jus à metade dos bens do condenado como recompensa. Em outras passagens dessa vetusta legislação, a mais antiga do Brasil, há promessa de recompensa para quem ajudasse na descoberta do delito e na punição do autor.
            Semanas atrás o governo do estado de São Paulo prometeu uma recompensa aos policiais que – de forma ampla – ajudassem na queda dos índices de criminalidade. Num segundo momento, prometeu recompensa a quem “dedurasse” uma pessoa suspeita de ter praticado um crime.
            O tema, como se vê, não é novo e muito polêmico. Em outro países (Estados Unidos da América, por exemplo), as próprias autoridades oferecem – e isso há décadas – um premio em dinheiro a quem der qualquer informação acerca do autor de um delito. No Rio de Janeiro, uma entidade particular tem oferecido quantia em dinheiro a quem der informações sobre alguns delitos. Aqui no estado de São Paulo uma categoria de funcionários tinha participação na produtividade, há tempos abolida.
            O fato de oferecer vantagem aos policiais na resolução de crimes ou aos particulares que delatarem delitos não condiz com o arcabouço jurídico brasileiro. O Estado tem o dever de proteger os bens jurídicos seus e dos seus cidadãos – para isso o Brasil tem uma das cargas tributárias mais altas do mundo (embora seja um dos BRICS) -, não se podendo valer desses expedientes anunciados que são, no mínimo, imorais, na sua tarefa de oferecer aos cidadãos paz pública.
            Se alguém souber da existência de um crime e quiser delatar o autor, poderá fazê-lo, mas o Estado não o obriga a tanto e nem poderá presentear quem o fizer. Porém, se ele for apontado como testemunha do evento, terá a obrigação dizer a verdade de tudo que souber, pois nesse caso é testemunha.
            Algumas pessoas puseram-se contra as medidas anunciadas e o fizeram por motivo de ordem prática: a polícia poderá “fabricar” culpados (como já “fabricou” na época da ditadura e nos “autos de resistência”) para obter a vantagem prometida; do mesmo jeito, os denunciantes poderão delatar pessoas “inocentes” ou de que tenham dúvida da culpa apenas na tentativa de receber a recompensa. Estas são objeções de ordem puramente prática; a objeção maior é de ordem moral (para não dizer jurídica – ética, numa palavra): o Estado não pode (deve) prostituir a função pública, delegando-a a particulares sob uma forma abjeta.  



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …