Pular para o conteúdo principal

O mundo jurídico de pernas para o ar


 
            Segundo a teoria tridimensional do direito, de autoria de Miguel Reale, do atrito entre o fato e o valor surge a norma, mas o processo criativo, por assim dizer, prossegue, pois entra em ação a interpretação, que, em Direito Penal, dependendo de quem faz a interpretação (quanto ao sujeito), manifesta-se sob os nomes de autêntica, judicial (ou jurisprudencial) e doutrinária. Essa forma de “dizer o direito” conhece limites, que em Direito Penal são rígidos, impostos pelo princípio da reserva legal.
            De uma época aos dias atuais, os fatos têm atropelado a doutrina – tão farta no Brasil (qualquer um se propõe a escrever um livro e uma editora qualquer se dispõe a publicá-lo – talvez isso se deva ao enorme número de faculdades de direito existentes no Brasil).
            O primeiro dos “atropelamentos” ocorreu com o caso “Eliza Samúdio”. O crime de homicídio é classificado como material, aquele em que há um distanciamento lógico e cronológico entre a conduta e o resultado: há a conduta e esta produz um resultado (natural). “Não há crime sem corpo”: era quase um brocardo jurídico. O Código de Processo Penal possui regras sobre o assunto, estipulando que a ausência do exame de corpo de delito não pode ser suprido pelas palavras do (s) acusado (s). Anteriormente, em Campinas, no dia 24 de agosto de 1999, foi encerrado o julgamento do mandante de um crime de homicídio em que o corpo nunca apareceu. Ficou conhecido como “caso Alba”: a mando de seu marido, o dentista Paulo Figueiredo, ela foi morta e o seu corpo desapareceu. O executor e o intermediário foram julgados e condenados; na data acima, o mandante foi julgado e condenado a 18 anos de reclusão[1]. O caso Eliza Samúdio trilhou o mesmo caminho: alguns dos envolvidos já foram condenados. Porém, avançou num ponto: a juíza criminal, como se fosse uma juíza cível num caso de ausência, decidiu que ela havia mesmo morrido e determinou a expedição de certidão de óbito.
            O segundo dos “atropelamentos” ocorreu nas Alagoas: os quatro seguranças de PC Farias foram julgados sob a acusação de haver por omissão participado do crime de homicídio de que foi vítima o tesoureiro de Fernando Collor de Mello. Sabe-se que quanto à conduta do sujeito ativo, o crime é doutrinariamente dividido em comissivo, omissivo (próprio) e comissivo por omissão (ou omissivo impróprio). No omissivo próprio, a conduta é negativa (“deixar de...”). No omissivo impróprio (ou comissivo por omissão), a conduta é positiva e a omissão é forma de produzir o resultado. O homicídio é um crime comissivo: o verbo do tipo já deixa bem claro isso (matar alguém). Nada impede, porém, que o resultado seja alcançado por omissão: o exemplo sempre lembrado pela doutrina é o da mãe que deixa de alimentar o filho de tenra idade provocando a sua morte. Aqui há, evidentemente, o dolo de homicídio e a mãe é autora. Como tipificar na norma a conduta de quatro seguranças que não impediram que o seu patrão não fosse morto? Eles quiseram o resultado? Se eles quiseram o resultado e, assim, deixaram que os matadores agissem eles são partícipes tanto quanto os que conjugaram o verbo do tipo. Felizmente, eles foram absolvidos e os livros de Direito Penal não precisarão ser reescritos nesse ponto.
            O mesmo, todavia, não se poderá dizer quanto ao homicídio sem corpo, bem como ao reconhecimento da morte da vítima num processo criminal, com enorme repercussão no Direito Civil.




[1]. Esse caso rendeu algo que pouquíssimas  vezes ocorre: foi interposto recurso de apelação e foi improvido. Ao saber do resultado, o condenado foi à Vara do Júri apresentar-se para iniciar o cumprimento da pena.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …