Pular para o conteúdo principal

Prendendo o morto


 
            Não lembro por qual crime ele tinha sido condenado; tenho certeza, porém, de que não foi contra a vida (doloso) porque o processo tramitava na 4ª Vara Criminal da comarca de Campinas: eventualmente, eu ali atuava. E, também, tenho certeza de que a pena imposta não fora alta, pois havia sido concedida a suspensão condicional da execução da pena (“sursis”)[1]. Designada data de audiência de advertência (também chamada de admonitória), o condenado não compareceu. O escrevente “de sala” (era assim chamado porque trabalhava na sala de audiências, pelo menos por um período, o da tarde, datilografando os depoimentos, declarações e interrogatórios) certificou que a audiência não havia se realizado em face do não comparecimento do condenado. Determinou, então, o magistrado que fossem os autos remetidos ao Ministério Público para manifestação (“vista ao MP”). O Promotor de Justiça, afoitamente, leu certidão do escrevente de sala e, de forma irada e intempestiva, requereu “a revogação do ‘sursis’”, bem como a  “imediata expedição de mandado de prisão”. Cumprindo religiosamente os princípios do contraditório e da ampla defesa, determinou então o magistrado que a defesa se manifestasse. Retirei os autos. Li a certidão do escrevente de sala e, óbvio, procurei nos autos o mandado de intimação para constatar se o Oficial de Justiça encarregado da diligência havia intimado o condenado. O auxiliar da justiça não o havia intimado e não o fizera porque, conforme certificou, “esteve no local indicado no mandado e deixara fazer a intimação porque, segundo informação da irmã do condenado, este havia falecido”. Não perdi a oportunidade de fazer uma gozação. Disse, em primeiro lugar, que discordava do pedido do Ministério Público porque não era caso de revogação e sim de cassação[2]; discordava, disse eu, também porque com a morte extingue-se a punibilidade[3], e, ademais, como se faria para prender um morto – já deveria o corpo estar em decomposição. O processo foi devolvido por um estagiário.
            Na semana seguinte estive em cartório e os funcionários receberam-me com gargalhadas: o Promotor de Justiça ficara indignado com a minha “gozação”. Mas deve ter aprendido uma lição básica: ler não apenas a folha anterior à determinação de “vista” e sim algumas mais anteriores. Ah! O magistrado determinou a expedição de outro mandado a fim de que o Oficial de Justiça diligenciasse na casa da irmã do condenado em busca de cópia da certidão de óbito.
            Ele havia realmente morrido.


(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", volume II, a ser publicado.)



[1]. Artigo 77 do Código Penal:
[2]. A revogação somente ocorre quando a suspensão está em curso, e não era o caso: a audiência de advertência é feita antes de iniciado o prazo da suspensão condicional.
[3]. Artigo 107, inciso I, do Código Penal (“mors omnia solvit”).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …