Pular para o conteúdo principal

Prendendo o morto


 
            Não lembro por qual crime ele tinha sido condenado; tenho certeza, porém, de que não foi contra a vida (doloso) porque o processo tramitava na 4ª Vara Criminal da comarca de Campinas: eventualmente, eu ali atuava. E, também, tenho certeza de que a pena imposta não fora alta, pois havia sido concedida a suspensão condicional da execução da pena (“sursis”)[1]. Designada data de audiência de advertência (também chamada de admonitória), o condenado não compareceu. O escrevente “de sala” (era assim chamado porque trabalhava na sala de audiências, pelo menos por um período, o da tarde, datilografando os depoimentos, declarações e interrogatórios) certificou que a audiência não havia se realizado em face do não comparecimento do condenado. Determinou, então, o magistrado que fossem os autos remetidos ao Ministério Público para manifestação (“vista ao MP”). O Promotor de Justiça, afoitamente, leu certidão do escrevente de sala e, de forma irada e intempestiva, requereu “a revogação do ‘sursis’”, bem como a  “imediata expedição de mandado de prisão”. Cumprindo religiosamente os princípios do contraditório e da ampla defesa, determinou então o magistrado que a defesa se manifestasse. Retirei os autos. Li a certidão do escrevente de sala e, óbvio, procurei nos autos o mandado de intimação para constatar se o Oficial de Justiça encarregado da diligência havia intimado o condenado. O auxiliar da justiça não o havia intimado e não o fizera porque, conforme certificou, “esteve no local indicado no mandado e deixara fazer a intimação porque, segundo informação da irmã do condenado, este havia falecido”. Não perdi a oportunidade de fazer uma gozação. Disse, em primeiro lugar, que discordava do pedido do Ministério Público porque não era caso de revogação e sim de cassação[2]; discordava, disse eu, também porque com a morte extingue-se a punibilidade[3], e, ademais, como se faria para prender um morto – já deveria o corpo estar em decomposição. O processo foi devolvido por um estagiário.
            Na semana seguinte estive em cartório e os funcionários receberam-me com gargalhadas: o Promotor de Justiça ficara indignado com a minha “gozação”. Mas deve ter aprendido uma lição básica: ler não apenas a folha anterior à determinação de “vista” e sim algumas mais anteriores. Ah! O magistrado determinou a expedição de outro mandado a fim de que o Oficial de Justiça diligenciasse na casa da irmã do condenado em busca de cópia da certidão de óbito.
            Ele havia realmente morrido.


(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", volume II, a ser publicado.)



[1]. Artigo 77 do Código Penal:
[2]. A revogação somente ocorre quando a suspensão está em curso, e não era o caso: a audiência de advertência é feita antes de iniciado o prazo da suspensão condicional.
[3]. Artigo 107, inciso I, do Código Penal (“mors omnia solvit”).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …