Pular para o conteúdo principal

Lewandowski, o tempo e o julgamento do "mensalão"


                       
            “O tempo é uma duração pura” – este é um conceito do filósofo francês de origem judia Henri Bergson, e acrescenta Miguel Reale, em sua obra “Filosofia do Direito”, que nós o “especializamos”, criando os anos, meses, dias e horas.
            O tempo tem uma importância muito grande no Direito Penal, seja, nos países em que não existe a pena de morte, para tirar dos condenados uma parte do tempo de suas vidas, seja para marcar por quanto tempo pode o Estado exercer o “jus puniendi”. Como dito, nos países em que não existem as penas corporais (morte e castigos físicos, tais como açoites e mutilações), a pena fundamentalmente se constitui nas privativas de liberdade, em que esta é tirada do condenado perpétua ou temporariamente.
            O tempo – ou o seu decurso, melhor dizendo – é um tenaz inimigo do exercício do “jus puniendi” (poder-dever de punir), sob vários aspectos. O primeiro deles diz com as causas de extinção da punibilidade estreitamente ligada ao decurso do tempo. A mais importante é a prescrição: há um tempo marcado pelo Estado para exercer o seu direito-dever de punir e se ele não conseguir fazê-lo, está extinta a punibilidade (no Brasil, exceto para o crime de racismo). Ainda nessa linha há a decadência e a perempção, extintivas também ligadas à passagem do tempo. Outra extintiva da punibilidade que pode vir – e sempre vem – com o passar do tempo é a morte, caso em que o sujeito ativo, seja réu, condenado, recorrente ou executado, terá a punibilidade extinta – “mors onmia solvit”. Alguns preferem escapar da punição pela porta da desencarnação, como fez o marechal Goering.
            A passagem do tempo pode provocar modificações na lei penal e se for para abranda-la, retroage para beneficiar o sujeito ativo. Essa modificação pode ser radical a ponto de representar a revogação da lei, descriminalizando a conduta que nela estava descrita como delito, hipótese em que deverá retroagir. Ou, simplesmente, para atenua-la (“novatio legis in mellius”), caso em que também retroage.
            O passar do tempo revela-se, ainda, inimigo ainda do exercício do “jus puniendi” pois ele provoca o esquecimento nas pessoas – testemunhas – que presenciaram o fato delituoso e, com a descrição que fizerem, auxiliarão na reconstrução histórica do acontecimento que se pretende apurar se foi delituoso e, com isso, punir quem o praticou.
            Na última e mais evidente hipótese dos benefícios que a passagem do tempo produz é impedir que a sentença condenatória transite em julgado e o condenado seja compelido a iniciar o cumprimento da pena.
            Foram essas lembranças que me vieram à mente ao assistir ao triste, porém perfeito, trabalho que o ministro Ricardo Lewandowski vem desempenhando no julgamento da Ação Penal 470, popularmente conhecida como “mensalão”. Tanto no julgamento principal, quanto no dos embargos, ele tem usado todo o tempo que pode – e pode muito, pois o regimento do STF não prevê quanto tempo um ministro pode utilizar para votar (ler o voto, na verdade), ao contrário do que faz com os advogados -: ao se lhe ser dada a palavra, principia a falar interminavelmente. Questões que a corte já decidiu de forma unânime são retomadas por ele inutilmente: afinal, já estão decididas. Amigo de Lula (frequentava a sua casa) e de José Dirceu, está desempenhando fielmente o papel a que se propôs.
            Como os crimes pelos quais os réus foram condenados e pela quantidade de pena imposta, algumas das consequências da passagem do tempo estão excluídas, exceto a morte do réu ou o abrandamento da lei. É de se concluir, então, que ele está querendo provocar o adiamento ao máximo do trânsito em julgado da condenação: afinal, “enquanto a vara sobe e desce, as costas descansam”.
"Lewandowski, escolhido revisor do processo, era próximo de Lula e de sua mulher, Marisa Letícia. Frequentava a casa do ex-presidente em São Bernardo do Campo e tinha Dirceu entre seus amigos.Em um almoço recente com Lula, afirmara que não via provas para a condenação." Do livro "Dirceu", de Otávio Cabral, página 320.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …