Pular para o conteúdo principal

Os donos da rua



 
      Há – creio – mais de uma década que se ouve, por vezes até de pessoas letradas, que a, por assim dizer, população “ordeira” vive enclausurada dentro de casa, cercada por câmeras de vigilância, cercas eletrificadas, e outros aparatos, enquanto as ruas e praças ficam entregues aos criminosos. A assertiva não deixa de ser verdadeira, porém em parte.
      Sem pretender ser saudosista, lembro da minha infância e parte da adolescência na pacata cidade de Jaú, no interior paulista. Era hábito entre a população “ordeira” após o jantar colocar cadeiras na calçada e, enquanto aguardava o início da radionovela, conversar animadamente. A conversação coincidentemente era durante a detestável “Hora do Brasil”: bastava que soassem os primeiros acordes de “O Guarani” para que as pessoas se dirigissem à calçada. As praças públicas eram frequentadíssimas, e nelas as garotas faziam o “footing” aos sábados e domingos. Não havia televisão.
      Quando a televisão chegou, trazida ao Brasil por Assis Chateaubriand pela emissora TV Tupi, aos poucos as pessoas foram abandonando o hábito de conversar nas calçadas, bem como de frequentar as praças, encastelando-se defronte ao aparelho de televisão, que aos poucos foi se tornando um móvel na sala. Depois veio a televisão em cores, mais tarde “home theater” e os espaços públicos foram sendo deixados aos “indesejáveis”, que não perderam a oportunidade de ocupa-los.
      Já que se está no interior de casa, nada mais lógico do que proteger-se. Inicialmente, colocavam-se cacos de vidro nos muros e cães ferozes nos quintais; depois, com o auxílio da tecnologia, vieram as cercas eletrificadas; mais adiante, as câmeras de vigilância; as guaritas blindadas nos prédios de apartamentos e por aí afora.
      O abandono dos espaços públicos teve como imediata consequência a sua deterioração, retratada por pichações, pessoas sem-teto dormindo nos bancos, lixo e outras mazelas. Nas grandes cidades, o abandono foi um dos efeitos da construção de shopping centers, locais em que a pessoa vai e durante as horas que ali permanece tem tudo o que necessita: área de alimentação, compras, lazer (cinema, teatro). Na cidade de Campinas, por exemplo, não há sequer uma sala de cinema fora dos centros de compra. Entre todas as facilidades que esses locais fornecem há uma insubstituível: a segurança. A pessoa estaciona o seu veículo “a preço de banana” e muitas vezes em local coberto e nunca será abordada por um ladrão enquanto estiver no interior do shopping. É certo que durante algum tempo foram veiculadas por e-mail notícias alarmantes de ocorrências policiais em centros de compra, mas tudo, como se viu, não passava de rumores.
      É verdade, sim, que os espaços públicos (ruas, praças) estão à mercê dos criminosos, mas isto não é algo que eles tenham conquistado: é algo que lhes foi dado de “mão beijada” por nós, que, sim, somos os responsáveis pelo abandono dos espaços públicos. E esta é uma batalha definitivamente perdida: os nossos hábitos jamais serão revertidos, de modo a que venhamos nos sentar em cadeiras nas calçadas, ou nos bancos das praças, para conversar ou simplesmente ler, como é um hábito que tenho de constantemente ir à praça Teotônio Vilela, aliás Centro de Convivência Cultural de Campinas – uma das mais deterioradas da cidade.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …