Pular para o conteúdo principal

O molestador impotente




          Ele tinha quase 60 anos e já havia tido um AVC – acidente vascular cerebral, ou, em termos populares, “derrame” – que lhe deixara severas seqüelas: uma hemiplegia. Metade de seu corpo ficara paralisada como consequência do acidente. Trabalhara durante toda a sua vida e, por conta do problema de saúde, estava aposentado.
          Numa manhã de sol, estava sentado numa pracinha no bucólico distrito de Sousas quando dele se aproximaram duas crianças, ambas do sexo masculino e menores de 10 anos, que ali brincavam. Foi entabulada uma conversa e, sabe-se lá porque, ele abriu a braguilha da calça e pediu àquelas crianças que enfiassem a mão no interior da calça e tocassem em seu membro viril. Elas atenderam-no. Ao chegar em casa, uma dessas crianças contou à avó – com quem morava e tinha a sua guarda – o ocorrido e ela incontinenti procurou o distrito policial local.
          Houve a instauração do inquérito que, ultimado, foi enviado ao fórum, tendo sido distribuído à 2ª Vara Criminal da comarca; denunciado, foi atribuída a ele a prática de dois crimes de atentado violento ao pudor, com violência presumida[1]. Coube a uma colega de trabalho a tarefa de defendê-lo. A instrução transcorreu sem percalços e sobreveio a sentença, obviamente condenatória, mas com a permissão de que ele, como permanecera solto durante o processo, pudesse interpor recurso de apelação em liberdade.
          Certo dia, a família – esposa e filha – esteve na PAJ, com a cópia da sentença condenatória, procurando a colega que atuara na defesa do réu. Ela estava de férias e eu a substituía. Li a sentença e passei a fazer perguntas sobre o acusado, sua vida pessoal, saúde, etc. Chamara-me a atenção o fato de que uma pessoa, que passara uma vida vivendo honestamente, no limiar da terceira idade fizera tamanha besteira. Foi nessa oportunidade que me informaram que ele era hemiplégico por conta do AVC. Pedi que os familiares trouxessem todos os documentos que tivessem sobre o problema de saúde e continuaríamos a conversa em outra ocasião.
          Na data combinada, vieram com incontáveis receitas, atestados, raios X da cabeça e durante a conversa fiz uma pergunta que, para a tese que eu pretendia apresentar ao tribunal de justiça, era crucial: como ficou a atividade sexual dele depois do “derrame”? Nula, respondeu a sua mulher.
          Compulsando os autos, para preparar o recurso de apelação, constatei que, talvez inconscientemente (ah! Sigmund Freud...), o juiz havia prestado uma ajuda inestimável durante o interrogatório: de uma forma que fugia aos padrões de seriedade, o juiz perguntara a ele se “aquilo subia” (o pênis, evidentemente), ao que o réu respondeu: “menos do que o salário mínimo” (naquela época, nada...).
          Apoiado na tese de que no atentado violento ao pudor é necessário que o sujeito ativo do crime aja com o intuito de satisfazer a libido e que no caso a libido do acusado estava soterrada debaixo de um “derrame”, requeri ao tribunal a reforma da sentença com a consequente absolvição do acusado.
          A tese foi acolhida pelo Tribunal de Justiça de São Paulo e o “molestador impotente” foi absolvido: ele era incapaz de sentir prazer.


(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millennium.)

[1] . Presume-se que tenha sido empregada a violência quando: a) a vitima não é maior de 14 anos; b) é alienada ou débil mental e o agente conhecia tal circunstância; c) quando a vítima não podia, por qualquer outro motivo, oferecer resistência (artigo 224 do Código Penal).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …