Pular para o conteúdo principal

Um povo sem memória


 

      Desde muito se tem dito que o brasileiro não tem memória – e esta é uma “verdade chinesa”. Os motivos que levam o povo a esta amnésia coletiva são obscuros e o que se tem, no máximo, são indícios que a demonstram. Uma pessoa que não adquiriu conhecimento, não pode retê-lo na memória: quem conhece os fatos, ou seja, quem adquire conhecimento, dificilmente os esquece – a não ser que fique muito tempo sem "usá-los" ou os perca patologicamente. Uma prova eloquente dessa falta de conhecimento veio neste longo fim de semana, em que na segunda-feira seria comemorado um feriado nacional, o 21 de abril, por intermédio de uma reportagem feita por uma das emissoras de televisão local. A repórter abordava pessoas no centro da cidade e as três primeiras, relativamente jovens, não souberam dizer o que se comemorava no feriado. As duas primeiras disseram desconhecer o que se comemorava na data e a terceira arriscou: dia da consciência negra. Depois a repórter abordou outras três, de mais idade (duas na terceira idade) e todas acertaram na resposta; uma disse o nome completo do “mártir da independência”, Joaquim José da Silva Xavier. Se a pessoa não conhece, não pode esquecer – estou afirmando o óbvio.
      Uma das provas da falta de conhecimento é certamente o estudo, a escola, seja pública, seja privada: em tempos de antanho os currículos escolares traziam a História do Brasil e, de contrapeso, História Geral. Havia também línguas: Português e, no mínimo, Inglês, quando não Francês (e, no meu caso, que estudei em colégio católico, Latim). Hoje, fazendo parte do Mercosul, em que todos os outros parceiros têm como língua oficial o Espanhol, já era hora dessa língua, a terceira mais falada no mundo, começar a constar dos currículos escolares.  E, é bom não esquecer, naquela época quem não conseguisse durante o ano letivo alcançar pontos suficientes, era reprovado e a reprovação não significava demérito para ninguém, muito menos humilhação: o aluno simplesmente não havia reunido condições de prosseguir na aquisição de conhecimento. Hoje se tem uma visão diferente - e distorcida - sobre este tema.
      Outro motivo que faz com que o brasileiro não tenha memória é a falta de museus. Em países da Europa e também nos Estados Unidos os museus pululam e se referem aos mais variados temas. Não é preciso citar o Louvre, em Paris, ou o Museu do Prado, em Madri, nem o Metropolitan ou American Museum of Natural History, ambos em New York, ou, ainda, o Smithsonian ou o Museu do Ar, ambos em Washington: basta citar um mais modesto, o Museu da Liberdade, na Filadélfia. Nesses museus estão depositadas não apenas obras de arte, mas a própria história, seja do mundo, seja do país em que ele se localiza.
      No Museu da Liberdade está o sino rachado que foi tocado no dia da Independência e é emocionante ver famílias com crianças na mais tenra idade na fila aguardando a vez para entrar no prédio e conhecer parte da história de seu país. No Brasil, ao contrário, museu é algo raríssimo e já houve ministro da Educação (Mercadante) que disse não saber que museu é assunto de educação.
      Museu é, sim, assunto de educação e a educação se aprende inicialmente em casa e posteriormente na escola. Pois é, estes dois – lar e escola – são dois dos mais importantes controles sociais informais, que são os primeiros a formarem a pessoa o modo dela se posicionar perante os valores da sociedade; eles são os mais importantes e quando eficazmente utilizados dispensam o Estado de utilizar os controles sociais formais, como polícia e Poder Judiciário.
      Pode-se afirmar, portanto, que, ao contrário do que se apregoa, não é que o brasileiro não tenha memória: ele não tem conhecimento por conta da má educação, seja a de casa, seja a da escola. De um tempo até a presente data, aliás, não há fato histórico que mereça ser ensinado nas escolas.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …