Pular para o conteúdo principal

Linguagem

Os fatos trágicos que têm tomado a atenção da mídia notabilizam-se pela linguagem equivocada das pessoas envolvidas na defesa ou acusação: são manifestações que demonstram a total ignorância a respeito do tema sobre o qual se manifestam.
Exemplo 1 - a advogada do acusado Lindemberg afirmou que "todos os brasileiros têm direito a julgamento justo". Errado: todas as PESSOAS - não importando a nacionalidade - que praticarem crime no território nacional têm direito a um julgamento justo. Se fosse da forma como ela se expressou, um chinês que cometesse um crime no Brasil não teria direito a um julgamento justo. Aluno de segundo ano de direito tem obrigação de saber isso.
Exemplo 2 - a mesma causídica disse à juíza que ela "deveria voltar a estudar". O motivo da afirmação - descortês ao extremo - foi a insistência da causídica numa pergunta (já feita, diga-se) e com base, segundo ela, no "princípio da descoberta da verdade real". A juíza retrucou que não existia o princípio, o que motivou a atitude destemperada da advogada. O princípio que norteia o processo penal é o "da busca da verdade real" e, sabe-se, nem sempre o que é buscado é descoberto, ainda mais em se tratando da verdade. Quem deveria voltar a estudar?
Exemplo 3 - o advogado da família da garota que morreu no parque temático afirmou que, apoiado pelo Ministério Público (o que eu duvido), iria fazer com que "o parque respondesse por crime doloso". Para tanto, o causídico deveria conseguir transferir o julgamento para outro país, porque no Brasil a pessoa jurídica não pode ser sujeito ativo de crime (com poucas exceções, crime contra o meio ambiente), seja doloso, seja culposo. Aluno de primeiro ano de direito tem obrigação de saber isso.
Fora da área jurídica, mas nem tanto, num blog, um tal Sakamoto, discorrendo sobre a morte de uma ciclista, afirmou que a pessoa seria "taxada" de... Pergunto: "taxada" em qual porcentagem? Pois é, ele, embora tenha um blog, não sabe que a palavra é escrita com "ch" - "tachada". Taxar significa tributar.
Onde andas, língua portuguesa? Onde andas, conhecimento jurídico?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …