Pular para o conteúdo principal

A reeducação

A Comissão de Juristas nomeada pelo presidente do Senado,  (o infelizmente imortal) José Sarney, ultima a redação do anteprojeto de Código Penal e mal a obra foi dada à luz já começaram as críticas. A mais sólida foi a publicada na FSP do dia 18 de junho de 2012 e é uma entrevista dada por Janaína Conceição Paschoal, professora na USP.
A crítica merece reflexão: essa Comissão desconhece a ideia do "Direito Penal mínimo", do italiano Luigi Ferrajoli, autor de uma obra essencial denominada "Diritto e raggione" (há uma tradução no Brasil, "Direito e razão", mas que mutilou o original, contendo erros gravíssimos; há outra em espanhol, "Derecho y razón", melhor do que a tradução portuguesa). Essa ideia já permeava o Direito Penal, no sentido de que ele seja utilizado o quanto menos possível, deixando a proteção de bens jurídicos a cargo de outros ramos do Direito. Por exemplo: em vez de criminalizar a conduta da pessoa que dirige sem estar habilitada, basta que seja ela "punida" com multa baseada no Código de Trânsito.
Mas a Comissão foi além: criminalizou algumas condutas que já poderiam facilmente caber em outros tipos penais. Esse é o caso do "bullying": a pessoa que sofre esse tipo de vexação, perseguição, humilhação, é vítima de um crime contra a honra; se tal perseguição leva-la ao suicídio, o autor poderá ser responsabilizado por participação em suicídio. Mas não seria melhor prevenir tal ocorrência, educando as pessoas no sentido de que todos têm direito à dignidade? Em Campinas, há um programa que deve ser seguido nas escolas municipais e o autor do projeto dessa lei foi o vereador (já falecido) Biléo Soares.
As outras críticas de Janaína Paschoal são no mesmo sentido: algumas condutas talvez não ocorressem se as pessoas que as praticam tivessem sido educadas. Aqui não há como não retornar ao antido tema das finalidades da pena: a reeducação. Para que esperar que chegue a esse ponto, o de reeducar, se há a oportunidade de educar. Mas com um ensino público fundamental falido e um currículo incompleto, como se pode esperar que alguém seja educado.
Volarei ao tema.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto