Pular para o conteúdo principal

"Zé Manco"


                        Não era, conforme pode parecer, um apelido politicamente incorreto; afinal, ele não tinha nenhuma deficiência física, pelo contrário: o seu deambular era perfeito. Chamou-me logo a atenção a discrepância entre o apelido e a sua condição física.
                        Ele era acusado de haver tentado matar um rapaz com quem consumira entorpecente numa “balada” que perdurou toda uma noite; a vítima ficara paraplégica, pois o projétil a atingira na coluna vertebral.
                        Segundo a versão oferecida em declarações pela vítima – não havia testemunha presencial – ela havia apanhado uma caixa de cerveja em lata de sua casa e fora a um posto de gasolina nas proximidades para vendê-la e com o dinheiro obtido comprar entorpecente. “Zé Manco” – a vítima o chamava assim – ocupando um “fusca”, estivera no posto para abastecer o carro e entabulara conversa com ela; simpatizaram um com o outro e saíram para uma “rodada de consumo de entorpecente”; a utilização da droga perdurou por toda a noite; “Zé Manco” fornecera o entorpecente, cocaína.
                        Dias após, a vítima estava caminhando sozinha por uma rua quando ao seu lado parou um veículo ocupado por “Zé Manco” e outras pessoas, que passaram a, sem mais aquela, a agredi-la; ela tentou fugir e “Zé Manco”, também sem nenhum motivo, efetuara disparos de arma de fogo contra ela, tendo um dos projéteis atingido-a na coluna, deixando-a paraplégica.
                        A falta de motivo era assustadora: ninguém sai atirando em outrem depois de pacificamente passarem uma noite consumindo entorpecente.
                        Numa das conversas que tive com ele, em que ele negou haver atirado na vítima, perguntei a origem do apelido e ele me explicou que talvez fosse pelo fato de ter ficado algum tempo com uma das pernas engessada. Motivo do engessamento: havia levado um tiro nessa perna.
                        Um dia antes do julgamento, fui ler os autos originais, pois as cópias que eu tinha parecia que estavam incompletas, e reparei numa folha de antecedentes de um irmão do réu que me passara despercebida; o documento registrava antecedente pelo crime de tráfico de entorpecente; e mais: registrava que ele tinha uma deficiência física, que o obrigava a mancar. Eu nunca soube porque a autoridade policial requisitara e juntara ao inquérito a folha de antecedentes do irmão do réu.
                        No dia do julgamento, a vítima entrou no plenário de cadeira de rodas e isso causa um impacto muito grande nos jurados; temi pela sorte do acusado. Indagado pelo juiz, relatou a história da caixa de cerveja no posto, da noite de consumo com “Zé Manco”, do dia em que foi atingido pelo projétil. Apontou “Zé Manco”, que obviamente ali estava presente, como o autor dos disparos. Dada a palavra à defesa, indaguei se tinha havido algum incidente entre eles e a resposta foi negativa. Ofensa? Compra de entorpecente sem pagar? A resposta era sempre não. Sem motivo, portanto.
                        Eu havia arrolado testemunhas de defesa – de “antecedentes”, como se diz no jargão forense – e uma delas era uma vizinha de longa data de “Zé Manco” (praticamente o vira nascer); do fato nada sabia. Indaguei se ela o conhecia e a resposta foi afirmativa; se ele era boa pessoa: trabalhador, foi a resposta (declinou até o local em que trabalhava: Casas Bahia, entregador de móveis); além disso, estudava no período noturno. Perguntas cruciais: ele tinha algum irmão? Sim. Esse irmão teve algum envolvimento com a polícia? Sim. Motivo? Não sei o motivo, foi a resposta. Ele tem alguma deficiência física? Tem, sim senhor: teve paralisia infantil e manca bastante de uma perna.
                        Estavam prontos os ingredientes para o desenvolvimento da tese de defesa: provavelmente, argumentei, a vítima se enganara, acusando a pessoa errada; quem lidava com entorpecente e mancava de uma perna era o irmão do réu. Assim desenvolvi toda a sua defesa.
                        Resultado da votação: absolvido por quatro votos e três.
                        Saímos do plenário com ele negando a prática do fato: na escadaria do fórum ele continuava apregoando a sua inocência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …