Pular para o conteúdo principal

Corrupção e "mensalão"

A palavra "corrupção" tem sido largamente empregada no Brasil como sinônimo daquela prática que ocorre na Administração Pública: a vantagem (indevida) solicitada ou recebida por funcionário para a prática de ato de ofício, ou seja, de ato que esteja no rol de suas funções. Ela tem outros significados e basta "passar os olhos" pelo livro "Sociologia da corrupção" para conhecê-los. "Furar fila", por exemplo, é um ato de corrupção. Lembrando que a palavra deriva do verbo corromper e que este tem como significados deteriorar, adulterar (e outros), fica fácil entender tudo o que ela representa.
Há um ranking mundial da corrupção, referindo-se, por assim dizer, à corrupção da administração pública, renovado anualmente, e nele constata-se que a Dinamarca e a Nova Zelandia são os países menos corruptos do mundo, com nota atribuída de 9,8 (o máximo, óbvio, é 10. O Brasil obteve, como era de se esperar, uma mísera nota 3,8, figurando abaixo do sexagésimo lugar. Nào há nenhuma novidade.
A corrupção que se refere à atividade da Administração Pública está prevista como crime no artigo 317 do Código Penal e tem como pena a reclusão, de 2 a 12 anos, mais multa, que pode ser fixada entre 10 a 360 dias-multa, cada um no valor entre 1/30 do salário mínimo até 5 vezes o salário mínimo. Se a pena aplicada não supererar 4 anos, poderá haver a substituição por pena restritiva de direitos e fixação de regime de cumprimento aberto (prisão albergue).
 A ação penal 470, apelidada pela mídia de "mensalão" (parece que quem utilizou pela primeira vez a expressão foi o delator da prática, Roberto Jefferson), que tem sido apontada como o mais rumoroso processo já julgado pelo STF, cuida, com relação a diversos réus - são 40 no total (qualquer semelhança com a quadrilha dizimada por Ali Babá é mera coincidência...), justamente desse crime: a corrupção passiva (entre outros: peculato, lavagem de capitais, quadrilha). Porém, pode-se dizer que o mais rumoroso processo julgado pelo STF foi aquele em que o acusado, e por esse mesmo crime, era um ex-presidente da República, Fernando Collor de Mello, cujo desfecho foi a sua absolvição. Na ação penal 470 não há ex-presidente como réu.
Sob outro aspecto é o mais rumoroso: alguns segmentos da opinião pública têm se mobilizado no sentido que os acusados sejam condenados, mas esta é uma atitude perigosa. Sim, porque, quando alguém - especialmente se for leigo - pede a condenação de alguém que está sendo processado está, em primeiro lugar, usurpando a função do Poder Judiciário (sim, porque já julgou); em segundo lugar, não conhece o conteúdo dos autos do processo ("o que não está nos autos não está no mundo"; "o mundo do juiz é o mundo do processo"); em terceiro lugar, porque está pretendendo que o Poder Judiciário tome uma atitude que talvez não pretenda tomar.
Em favor do STF é de se dizer que ele é o único tribunal superior do mundo que transmite as suas sessões ao vivo, ou seja, mais "transparência" do que isso é impossível. É só aguardar o desfecho.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …