Pular para o conteúdo principal

O projeto do CP - pena de prisão

O Código Penal, como se sabe, é de 1940, tendo entrado em vigor a 1º de janeiro de 1942. Em 1984, sofreu uma grande alteração, com a aprovação de uma nova Parte Geral (que vai do artigo 1º até o 120 - a Parte Especial, que define os crimes e comina as penas, vai do artigo 121 ao 361). Sabe-se que em todo o mundo os sistemas penais sustentam-se principlamente nas penas privativas de liberdade, embora isso não seja recomendável. No Brasil, e tomando-se por termo o ano de 1942, as penas privativas de liberdade são divididas em reclusão e detenção. Anteriormente, elas eram cumpridas de forma diferente: a reclusão era cumprida com, como se dizia, rigor carcerário - havia um período inicial de isolamento, depois o condenado passava a trabalhar juntamente com os demais no interior do presídio; em seguida, trabalhava fora do presídio e, finalmente, obtinha o livramento condicional. Era, por assim, dizer, um sistema progressivo. A detenção não era cumprida com esse rigor. Com a adoção, na reforma penal de 1984, dos regimes de cumprimento de pena - fechado, semiaberto e aberto -, deixaram de existir as diferenças entre ambas as penas privativas de liberdade quanto ao cumprimento. Mas continuou existindo essa dicotomia, inclusive na criação de tipo penais, ora ounidos com reclusão, ora punidos com detenção. Resistiam algumas diferenças, mas não quanto ao cumprimento: por exemplo, quanto aos efeitos da condenação - em crime doloso punido com detenção cometido contra filho, a sentença condenatória pode determinar que ocorra a incapacidade para o exercício do pátrio poder.
Uma das perguntas mais frequentes que são feitas pelos alunos nas Faculdades de Direito é esta: "quais as diferenças entre a reclusão e a detenção?". 
Em alguns países não existem penas privativas de liberdade e sim apenas uma: a pena de prisão (aliás, é por este nome que se conhecem várias obras, algumas "clássicas", sobre o tema: "Vigiar e punir - a história da violência nas prisões", de Michel Foucault; "A falência da pena de prisão", de Cezar Roberto Bitencourt, para citar duas).
Com o projeto, deixarão de existir as penas de reclusão e detenção, o que facilitará a compreensão. Haverá, como privação da liberdade, apenas a prisão (artigo 45, inciso I), que deverá ser cumprida "progressivamente em regime fechado, semi-aberto e aberto" (artigo 46).  O regime fechado continua como no Código: execução da pena em estabelecimento penal de segurança máxima ou média. Regime semiaberto também: colônia agrícola, industrial ou estabelecimento similar. O regime aberto é tratado de forma diversa no projeto: execução da pena fora do estabelecimento penal.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto