Pular para o conteúdo principal

A jurada bonita e os antecedentes do réu



                        Tinha tudo para ser um julgamento sem qualquer complicação: a acusação era de homicídio simples tentado e a vítima tinha antecedentes. Tratava-se de uma briga nas imediações da Estação Rodoviária de Campinas e o réu havia desferido uma facada na vítima, que sobrevivera; a classificação como homicídio tentado: a vítima não morrera por “circunstâncias alheias à sua vontade”.  O réu também tinha antecedentes e em grande número. A sua folha era vasta, com diversos registros de incursões pela parte especial do Código Penal. Em geral, crimes contra o patrimônio. Como sói acontecer: raramente existe reincidência nos crimes contra a vida. O homicídio – dentre os quatro contra a vida (os outros são participação em suicídio, infanticídio e aborto) – representa infalivelmente um ponto isolado na vida do acusado. A não ser em casos que a mídia tem o hábito de chamar de “serial killer”, em que parece que o homicida tem prazer por matar – ou se trata de um doente mental. Na literatura jurídico-penal existem alguns casos esparsos, como, por exemplo, o “maníaco do parque”, que agia em São Paulo; em Campinas, na década de sessenta, atuou um que a mídia impressa e falada cognominou de “bandido mascarado”. Quem era este personagem os órgãos do sistema punitivo nunca conseguiram descobrir (se bem que, à época, afirmava-se que era filho de um político influente da cidade).
                        No dia do julgamento em plenário, os trabalhos fluíram satisfatoriamente, sem nenhum incidente: O Ministério Público, por seu Promotor de Justiça, falou durante o seu tempo regulamentar, duas horas aproximadamente, a defesa, representada por um Procurador do Estado da assistência judiciária, no caso eu, falou outro tanto; intervalo para um rápido lanche (nessa época, o julgamento se iniciava por volta de uma e meia da tarde); réplica, com o Ministério Público falando por quase mais trinta minutos, e a defesa utilizando menos do que isso. A minha tese era simples: negativa de autoria. Não fora o réu o autor da facada (a vítima não fora encontrada para declarar em juízo).
                        Encerrados os trabalhos em plenário, fomos todos à sala secreta, para a votação e o acusado acabou sendo condenado por maioria de votos, quatro a três. Anunciado o resultado e cessada a incomunicabilidade, uma jurada, que já tinha chamado a minha atenção por ser bonita e estar muito bem trajada, por volta de 30 anos de idade (o único dado único dado pessoal sobre ela disponível – como, de resto, de todos os jurados – era que se tratava de bancária) veio em minha direção – eu estava num dos cantos da “sala secreta” – e me disse: “eu não me convenci de que foi ele o autor, mas o condenei em virtude dos maus antecedentes”.
                        O susto foi muito grande, mas não pude fazer nada: afinal, era uma declaração em “off”, sem que ninguém presenciasse.  


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …