Pular para o conteúdo principal

O leilão do hímen e a sedução da lésbica

 Dias atrás, "explodiram" na mídia duas manchetes no mínimo bizarras: uma jovem catarinense leiloaria a sua virgindade, aplicando o "lucro" na compra de casas populares (seria arrecadado tanto assim?, foi a primeira indagação que me assaltou); a segunda manchete anunciava que um milionário chinês oferecia uma vultosa quantia (precisamente 132 milhões de reais - lógico que não em reais, porque ninguém aceitaria...)  para o homem que conseguisse seduzir a sua filha lésbica, convencendo-a a casar.
A membrana himenal - em homenagem a Himeneu, filho de Apolo e Afrodite, deus do casamento (lembro que, quando estudava o nome, em Direito Civil, nos idos de 1973, no livro adotado, de Washington de Barros Monteiro, na lista de nomes estrambóticos havia este: Himeneu Casamentício das Dores Conjugais...) - era a prova da virgindade, necessária à validade do casamento e caracterizadora do crime de sedução, artigo 217 do Código Penal, que tinha uma dicção romântica: "seduzir mulher virgem, menor de 18 (dezoito) anos e maior de 14 (catorze), e ter com ela conjunção carnal, aproveitando-se de sua inexperiência ou justificável confiança", com a pena de reclusão de 2 a 4 anos. O condenado à pena mínima, em algumas décadas de vigência do código,  não tinha direito a nenhum "benefício", pois o mais próximo, o livramento condicional, somente era concedido a penas acima de 3 anos. Tratando-se de crime material, era imprescindível a prova do desvirginamento. "Virgo intacta" era uma expressão corrente nos compêndios de Direito Penal. Nélson Hungria citava um provérbio alemão para demonstrar a importância dessa membrana: "antes uma pele de ouriço na cama do que uma noiva deflorada".
A virgindade tinha muita importância no Direito Civil. O provérbio alemão referido pelo penalista tinha mais aplicação no ramo civil do Direito. O desvirginamento da noiva, desconhecido pelo noivo (e não causado por ele, claro...), era um dos motivos para a anulação do casamento.
De outra parte, a homossexualidade era punida como crime: o Livro V das Ordenações do Reino, o que definia os crimes e cominava as penas, reservava a pena de morte na fogueira para a homossexualidade, chamada na época de "sodomia",  nome de origem bíblica (em homenagem a Sodoma), para que o corpo se tornasse cinza e fosse levado pelo vento para que de sua existência não restasse lembrança.
Os tempos mudaram ("oh! mores! oh! tempores", segundo Marco Tulio Cicero): a sedução deixou de ser crime (o que ocorreu no ano de 2005), a virgindade deixou de ter importância na sociedade, não mais sendo motivo para a anulação do casamento e o homossexualismo também deixou de ser criminalizado (em muitos países).
Soa bizarro, portanto, que uma vestal leiloe a sua membrana himenal e que um milionário queira mudar a orientação sexual de sua filha. Tenho uma sugestão, que não satisfará ambas as partes: ele poderia doar parte do dinheiro à "virgo intacta" catarinense, que não precisaria se desfazer da "preciosa" (para ela, ao menos) membrana e a sua filha continuaria a orientar-se como pretenda.
A propósito: o termo "lésbica" vem da palavra Lesbos, uma ilha grega onde nasceu Safo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …