Pular para o conteúdo principal

O leilão do hímen e a sedução da lésbica

 Dias atrás, "explodiram" na mídia duas manchetes no mínimo bizarras: uma jovem catarinense leiloaria a sua virgindade, aplicando o "lucro" na compra de casas populares (seria arrecadado tanto assim?, foi a primeira indagação que me assaltou); a segunda manchete anunciava que um milionário chinês oferecia uma vultosa quantia (precisamente 132 milhões de reais - lógico que não em reais, porque ninguém aceitaria...)  para o homem que conseguisse seduzir a sua filha lésbica, convencendo-a a casar.
A membrana himenal - em homenagem a Himeneu, filho de Apolo e Afrodite, deus do casamento (lembro que, quando estudava o nome, em Direito Civil, nos idos de 1973, no livro adotado, de Washington de Barros Monteiro, na lista de nomes estrambóticos havia este: Himeneu Casamentício das Dores Conjugais...) - era a prova da virgindade, necessária à validade do casamento e caracterizadora do crime de sedução, artigo 217 do Código Penal, que tinha uma dicção romântica: "seduzir mulher virgem, menor de 18 (dezoito) anos e maior de 14 (catorze), e ter com ela conjunção carnal, aproveitando-se de sua inexperiência ou justificável confiança", com a pena de reclusão de 2 a 4 anos. O condenado à pena mínima, em algumas décadas de vigência do código,  não tinha direito a nenhum "benefício", pois o mais próximo, o livramento condicional, somente era concedido a penas acima de 3 anos. Tratando-se de crime material, era imprescindível a prova do desvirginamento. "Virgo intacta" era uma expressão corrente nos compêndios de Direito Penal. Nélson Hungria citava um provérbio alemão para demonstrar a importância dessa membrana: "antes uma pele de ouriço na cama do que uma noiva deflorada".
A virgindade tinha muita importância no Direito Civil. O provérbio alemão referido pelo penalista tinha mais aplicação no ramo civil do Direito. O desvirginamento da noiva, desconhecido pelo noivo (e não causado por ele, claro...), era um dos motivos para a anulação do casamento.
De outra parte, a homossexualidade era punida como crime: o Livro V das Ordenações do Reino, o que definia os crimes e cominava as penas, reservava a pena de morte na fogueira para a homossexualidade, chamada na época de "sodomia",  nome de origem bíblica (em homenagem a Sodoma), para que o corpo se tornasse cinza e fosse levado pelo vento para que de sua existência não restasse lembrança.
Os tempos mudaram ("oh! mores! oh! tempores", segundo Marco Tulio Cicero): a sedução deixou de ser crime (o que ocorreu no ano de 2005), a virgindade deixou de ter importância na sociedade, não mais sendo motivo para a anulação do casamento e o homossexualismo também deixou de ser criminalizado (em muitos países).
Soa bizarro, portanto, que uma vestal leiloe a sua membrana himenal e que um milionário queira mudar a orientação sexual de sua filha. Tenho uma sugestão, que não satisfará ambas as partes: ele poderia doar parte do dinheiro à "virgo intacta" catarinense, que não precisaria se desfazer da "preciosa" (para ela, ao menos) membrana e a sua filha continuaria a orientar-se como pretenda.
A propósito: o termo "lésbica" vem da palavra Lesbos, uma ilha grega onde nasceu Safo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto