Pular para o conteúdo principal

O projeto do CP - a delação premiada

A delação premiada entrou para o sistema punitivo brasileiro na década de 90, mais precisamente pela "lei dos crimes hediondos", (nº 8.072, de 25 de julho), importada diretamente da Itália, país com grande experiência no combate à criminalidade organizada (máfia, óbvio). Uma das suas aplicações referia-se ao crime de extorsão mediante sequestro cometido em quadrilha ou bando (para lembrar: crime de concurso necessário) e o "co-autor" (e os partícipes?) que o denunciasse (em vez de usar o verbo delatar, a lei usava - e usa - este, menos semanticamente perverso) "à autoridade... facilitando a libertação do sequestrado terá a sua reduzida de um a dois terços". Naquela época, a extorsão mediante sequestro era uma verdadeira "epidemia" no Rio de Janeiro (um amigo do presidente estava sequestrado e a quantia pedida a titulo de resgate era vultosa).
Este foi o primeiro passo: vieram outros, como, por exemplo, na lei de "lavagem" de capitais, atingindo o ponto de ser considerado uma causa de extinção da punibilidade - "perdão judicial" - em algumas leis. Acresce notar que a "delação premiada" está espalhada em diversas leis, umas que alteraram o Código Penal, estando nele incorporadas, e outras, não, constando somente as leis extravagantes.
O tema é controverso, pois autores há que execram essa forma de facilitar a busca da prova penal e, ademais, a delação é algo que historicamente sempre foi reprovado, iniciando-se com a delação perpetrada por Judas Iscariotes (recomendo a leitura do conto "Três versões de Judas", do magnífico Jorge Luis Borges para uma visão diferente): enfim, o verbo delatar é semanticamente perverso. Há outra controvérsia: a delação dá-se no interrogatório e este ato processual é meio de prova ou manifestação de defesa (aponto que o acusado não presta o compromisso legal de dizer a verdade, podendo mentir, podendo mesmo até preferir exercer o direito de permanecer em silêncio)?
O que importa, porém, agora é que a comissão que redigiu o projeto de Código Penal fez constar nele a delação premiada e com uma designação menos perversa: agora se chama "imputado colaborador". Está assim redigido o texto que rege o tema:
"Artigo 106. O juiz, a requerimento das partes, concederá o perdão judicial e a consequente extinção da punibilidade, se o imputado por primário, ou reduzirá a pena de um a dois terços, ou aplicará somente pena restritiva de direitos, ao acusado que tenha colaborado efetiva e voluntariamente com a investigação e o processo criminal, desde que desta colaboração tenha resultado:
I - a total ou parcial indentificação dos demais coautores ou partícipes da ação criminosa;
II - a localização da vítima com a sua integridade física preservada;
III - a recuperação total ou parcial do produto do crime.
Parágrafo único. A aplicação do disposto neste artigo exige acordo que será celebrado entre o órgão acusador e o indiciado ou acusado, com a participação obrigatória do seu advogado ou defensor, respeitadas as seguintes regras:
I - o acordo entre as partes, desde que tenha efetivamente produzido o resultado ou os resultados mencionados no caput deste artigo, vinculará o juiz ou tribunal da causa;
II - a delação de coautor ou partícipe somente será admitida como prova da culpabilidade dos demais coautores ou partícipes quando acompanhada de outros elementos probatório convincentes;
III - ao colaborador da Justiça será aplicada a Lei de Proteção a Vítimas e Testemunhas;
IV - oferecida a denúncia, os termos da delação serão dados a conhecimento dos advogados das partes, que deverão preservar o segredo, sob as penas da lei".
Como o tema comporta algumas observações, voltarei a ele.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto