Pular para o conteúdo principal

A cleptomaníaca (ou o furto da perna de cabrito)



            Uma colega de trabalho, Procuradora do Estado como eu, indagou-me se eu poderia defender uma pessoa cuja família ela conhecia; a defesa não seria feita como Procurador (atuávamos como defensores públicos, pois a Defensoria ainda não fora criada) e sim particularmente e, portanto, “pro-bono” – sem cobrar honorários.  A família da pessoa tinha condições de suportar uma cobrança de honorários advocatícios, porém certamente se recusaria a tal ônus principalmente porque a pessoa estava sendo acusada de furto simples tentado. Mais tarde descobri porque a família se recusaria a fazer tal gasto.
            A acusaço qu﷽﷽﷽﷽﷽﷽uradora do Estado comoão que pesava contra ela era de furto, uma subtração realizada num supermercado pequeno, desses de bairro, e o objeto subtraído era uma perna de cabrito. Tão logo deixou o estabelecimento comercial e alcançou a calçada, teve os passos interceptados pelos seguranças. Chamada a Polícia Militar, foi levada ao 4º Distrito Policial, porém a autoridade não lavrau o auto de prisão em flagrante delito, preferindo registrar o fato num boletim de ocorrência.
            Aceitei o encargo “pro-bono”. Convidei a ré a ir ao meu escritório para falarmos sobre o assunto. Ela foi. Disse-me que estava arrependida, mas que fazia aquilo por compulsão: era cleptomaníaca. Isso me interessou: jamais havia defendido alguém que declaradamente padecesse desse mal. Pedi-lhe que me descrevesse os sintomas que sentia ao realizar uma subração. Ela disse que, à vista do objeto de cobiça, começava a sentir um calor no corpo, e, acrescentou, era “contra a vontade” levada à subtração. Disse mais, que outras vezes tal tinha ocorrido, porém o dono do supermercado depois ia à sua casa e apresentava a conta do furto e a família o reembolsava. Desta vez, porém, a família, talvez cansada de tudo, ao ser avisada, resolveu não ressarcir o comerciante. Daí a intervenção policial.
            O desfecho do processo foi óbvio: ela foi condenada por furto simples tentado, e, como era primária e de pouco valor a coisa subtraída, o magistrado, reconhecendo o furto privilegiado, impôs somente a pena de multa, no piso mínimo, 10 dias-multa no valor de 1/30 do salário mínimo cada.
            Não fiquei sabendo se a família concordou em recolher o valor.


(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", volume 2, a ser editado.) 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …