Pular para o conteúdo principal

Dois presos e duas medidas



            Eles foram sujeitos ativos da mesma infração penal: um crime patrimonial violento, o roubo. Embora desarmados, ameaçaram a vítima de impor-lhe um mal grave, não especificado (ao estilo: se você não entregar o celular você vai ver...). Não tiveram: mal caminharam alguns passos foram interceptados pelos componentes de uma guarnição da Polícia Militar e, levados ao plantão policial, foram autuados em flagrante e encaminhados a um centro de detenção provisória.
            Durante a instrução criminal, a família de um deles procurou o defensor dativo que atuava em seu prol e relatou ao profissional que aquele preso tinha “antecedentes” mentais: estivera, tempos atrás, internado um hospital psiquiátrico (anteriormente denominado “hospício”) pois tivera um "surto". Disgnosticado como esquizofrenico, permaneceu internado durante alguns dias, pois o surto que tivera fora controlado, e o médico que cuidou dele, ao lhe dar alta, prescreveu alguns medicamentos que ele deveria ingerir diariamente.
            Feito o relato ao profissional advogado, este optou por requerer ao juiz criminal a realização de um exame pericial; para embasar o seu pedido, apresentou um comprovante da internação de tempos atrás. O juiz deferiu o pedido e o “assaltante” foi examinado: na conclusão do laudo, o perito afirmou que “o examinando” era efetivamente portador de doença mental, especificou-a e encaminhou o laudo pericial ao juízo. Tendo em vista a conclusão, o magistrado absolveu-o (da pena),  impondo-lhe todavia medida de segurança consistente em internação em estabelecimento psiquiátrico apropriado pelo prazo mínimo de 1 ano. Ao final desse ano, novamente submetido a exame pericial, o médico do estabelecimento estadual concluiu que a doença persistia (é incurável) e a medida de segurança foi prorrogada por mais 1 ano. Ao final desse prazo, novo exame pericial, a mesma constatação, mais 1 ano de medida. E lá se foram 6 anos.
            O outro preso não tinha nenhuma doença mental e o juiz condenou-o a cumprir “em estabelecimento penal apropriado” (para usar o jargão forense) a pena mínima prevista para o crime cometido: 5 anos e 4 meses de reclusão no regime inicialmente fechado (embora, pela quantidade de pena, coubesse o semi-aberto). Ele cumpriu 1/6 da pena (aproveitando-se da detração) e foi (não imediatamente, claro) promovido ao regime semi-aberto, em que cumpriu mais um 1/6, sendo promovido ao regime aberto. Como não existia Casa do Albergado, em que ele deveria cumprir a pena, foi permitido a ele que a cumprisse em PAD – prisão albergue domiciliar, até que, pelo total cumprimento da “reprimenda”, a pena foi extinta pelo cumprimento.
            Aos dois presos, duas medidas: para um, a pena, para o outro, medida de segurança. Ambas são consideradas “medidas penais” (há quem as chame de “sanções penais”).
            Esta é uma história de ficção, baseada todavia naquilo que dispõe a legislação penal: o Código Penal, o Código de Processo Penal e a Lei de Execução Penal.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …