Pular para o conteúdo principal

Três penas de prisão perpétua


   
            Michael Devlin sequestrou duas crianças em cidades do estado do Missouri, EUA, e as manteve em seu poder por aproximadamente 5 anos. Ele morava num apartamento que mais parecia um pardieiro e ali foram encontradas as já não mais crianças. Durante o tempo em que ele as reteve em seu poder ele praticou sobre elas (ou com elas) atos sexuais.
            Levado a julgamento, declarou-se culpado de todas as imputações, tendo sido condenado, segundo a enciclopédia interativa Wikipedia, a três penas de prisão perpétua. Presentemente ele as está cumprindo. Nos estados da América do Norte em que há prisão perpétua não é incomum que uma pessoa seja condenada a várias dessas penas e deve cumpri-las ou simultaneamente  ou consecutivamente.
            O que está escrito acima pode soar bizarro: como uma pessoa poderia cumprir, por exemplo, duas penas de prisão perpétua consecutivamente? Deveria cumprir a primeira, desencarnar, reencarnar em si mesmo e cumprir a seguinte. Para quem acredita em reencarnação, pode parecer que está tudo bem, mas quem garante que a pessoa reencarnará em si mesma? Disto, creio, ninguém tem certeza. Se for para cumprir, ainda no mesmo exemplo, duas, porém, simultâneas, ele simplesmente as cumprirá: somente deixará o cárcere morto.
            Soa bizarro, mas no Direito Penal brasileiro há um princípio que rege a aplicação da pena que, se aqui houvesse a pena de prisão perpétua, uma pessoa que houvesse cometido dois ou mais crimes punidos com essa pena, o juiz deveria (=estaria obrigado) a impô-las, não podendo jamais deixar de aplicar a segunda porque a pessoa já estava condenada a perpetuamente ficar privado da liberdade.
            Tal princípio chama-se “da inderrogabilidade da pena” e é por conta dele que algumas pessoas são condenadas a centenas de anos de reclusão. Como exemplo pode ser citado o caso do falecido coronel Ubiratan, aquele mesmo que comandou a invasão à Casa de Detenção, em que foram mortos 111 presos. Num primeiro julgamento, ele foi condenado a 632 anos de reclusão; todavia, interpôs recurso e em segunda instância foi absolvido.Os outros membros da Polícia Militar começarão a ser julgados em breve e estão sujeitos, caso sejam condenados, a muitos anos de reclusão.
            Aqui, como se trata de privação de liberdade com um tempo determinado e como a Constituição da República Federativa do Brasil que não haverá pena de prisão perpétua, a pessoa condenada cumprirá 30 anos, conforme estipula o artigo 75 do Código Penal, depois de feita a unificação. Há, porém, um senão: para efeito do obtenção de “benefício” – progressão de regime prisional, por exemplo -, o cálculo deverá recair sobre a condenação original ou sobre o total unificado?
            A doutrina brasileira hesitava sobre o tema: Mirabete entendia que o percentual de cálculo deveria recair sobre o total unificado e Damásio de Jesus entendia que deveria recair sobre o total "real"(Coronel Ubiratã: 632 anos unificados em 30 anos, para obter o livramento condicional o percentual de 1/3 recairia sobre os 30, segundo Mirabete; para Damásio, sobre os 632 anos) e o Supremo Tribunal Federal tem entendido, de forma linear, que aplica-se a solução proposta por Damásio.


           

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto