Pular para o conteúdo principal

A calcinha e o vibrador

Brasília continua agitada pelos recentes acontecimentos. Porém, ao contrário do que se possa pensar, não se trata do que acontece na CPMI do "Carlinhos Cachoeira", com sessões em que não impera a urbanidade e sim o desrespeito à dignidade da pessoa humana, uma das pedras angulares do Estado Democrático de Direito conforme está escrito  na Constituição da República Federativa do Brasil. Os nobres parlamentares descumprem aquilo que juraram respeitar, a Constituição e as leis, ofendendo a honra dos que "teimam" (por vezes, amparados por medida liminar [desnecessária, segundo entendo] concedida pelo Supremo Tribunal Federal) em exercer o constitucional direito de permanecer em silêncio (já abordei este tema aqui). Alguns, intrometendo-se no trabalho do STF, censuram as liminares que têm sido concedidas, desconhecendo a teoria da tripartição dos poderes e da harmonia que deve existir entre eles.
Duas notícias que provocaram um sismo na capital federal têm forte conotação sexual e podem estar ligadas entre si. A primeira: foi encontrada no plenário da Câmara dos Deputados uma calcinha, que, na verdade, era uma "calçona" (talvez G? talvez GG?) feminina. Fugindo aos padrões atuais, é de algodão (talvez a [o] sua [seu] proprietária [o] tenha alergia a roupas sintéticas) e bicolor (vermelha e branco - o vermelho é bem provocativo, porém a combinação leva à ideia de uniforme de time de futebol). Tudo indica que quem a perdeu seja um parlamentar e aqui a imaginação fica solta: a) ele gosta de usar roupas femininas (não seria a primeira vez: "o pior diretor de cinema de todos os tempos em Hollywood", Ed Wood, gostava de usar calcinhas); b) o perdedor do objeto teve uma noitada tão prazerosa que resolveu levar a peça de roupa íntima como recordação (um fetiche...). Sabe-se lá...
Afirmam que o deputado Tiririca conhece todo o enredo mas ele  já disse que não falará: nem adianta falar, porque a palavra de um palhaço (no bom sentido) nunca é levada a sério. Pensarão que se trata de (mais uma) palhaçada.
A segunda notícia: foi roubado um vibrador banhado a ouro 18 quilates de uma "sex shop" da capital federal. Seu preço: 8 mil reais (ele mede 8 centímetros - 1.000 reais por centímetro?) . Ou seja, um preço que somente quem recebe um salário de, digamos, parlamentar, pode pagar. O ladrão estava bem vestido (aspecto importante - mas não disse a vendedora se ele vestia terno). A atitude de roubá-lo pode representar um ato extremo: o rapinante, se for mesmo um político, talvez não tivesse um "laranja" para ir adquirir o produto ou não pôde comprá-lo com um cartão de crédito corporativo do governo federal sem necessidade de prestar contas, quem sabe... É um produto importado (sueco) e certamente muito controlado.
Pode ser que os episódios estejam interligados (os objetos utilizados numa mesma noitada) e aqui eu deixo à imaginação do leitor a conclusão.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …