Pular para o conteúdo principal

O século passado

Parece que foi ontem, mas tudo isso aconteceu no século passado. Não faz um século, porém, mas meio ou mais, sim. Foi naquele século que o Brasil - o ex-país do futebol - teve uma das melhores equipes, a que venceu a Copa do Mundo da Suécia e revelou ao mundo um adolescente que se tornaria o "atleta do século", ou "de todos os tempos". Não havia televisão para assistir às exibições do "escrete canarinho": ouvíamos tudo pelo rádio, com aquela estática ao fundo, e a imaginação se deixando levar pelo entusiasmo dos narradores. Depois desse triunfo, ainda no mesmo século, o Brasil se tornou bi-campeão - ainda não pudemos ver pela televisão. E, ainda naquele século, já com transmissão em cores, foi possível ver o Brasil vencer pela terceira vez a Copa do Mundo e ficar definitivamente com a Taça Jules Rimet (ficar definitivamente é força de expressão, porque algum sem-educação furtou-a e derreteu-a [já naquele século o brasileiro não tinha educação - destruía até símbolos de conquista, como hoje furta placas comemorarivas e picha monumentos]). Nesse século era uma alegria ao espírito ver o adolescente que havia se projetado na Copa do Mundo se 1958 fazendo peripécias nos estádios de futebol. A televisão somente chegou na cidade em que eu morava no ano de 1963.
Foi naquele século também que pudemos ver um quarteto de cabeludos ingleses ("os quatro rapazes cabeludos de Liverpool") cantando rock de forma nunca antes vista, seja pelas letras infantis, seja pelas roupas diferentes, seja pelos cabelos longos, algo extravagante para a época. Que delícia ouvir I wanna hold your hands, Help e tantas outras. Foi nessa época também que tivemos raiva de Yoko Ono, sempre apontada como a responsável pela dissolução daquele quarteto fantástico. Mas cada um seguiu uma carreira solo, o que, de certa forma, serviu como consolo.
Foi naquele século também que vimos Mary Quant lançar uma roupa extremamente ousada para aquele tempo, a minissaia, que, dependendo de quem a usava, era um colírio para os olhos.
Foi ainda no século passado que pudemos ver o homem chegando na Lua, algo que muitas pessoas afirmavam, jurando, que não passava de mais uma produção de Hollywood.
Foi ainda naquele século que Martin Cooper inventou essa máquina, cujo uso distorcido ele mesmo verberou recentemente, chamada telefone celular.
Foi ainda no século passado que foi inventada esta máquina que eu estou usando para escrever, o computador, e essa maravilha que usarei para postar este texto, a internet.
Foi nesse século que foi criado um meio pelo qual as pessoas não precisam usar dinheiro vivo, nem preencher cheque, o cartão de crédito.
Foi nesse século que pudemos assistir aos filmes do "espião a serviço de Sua Majestade", James Bond, vivido por Sean Connery e posteriormente por Roger Moore. Aquele com licença para matar, visível nos dois zeros (007).
Foi um grande século, talvez o melhor de todos.
Um século para se dizer (copiando Ataulfo Alves: alguém o conhece? ele foi do século passado): eu era feliz e não sabia.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …