Pular para o conteúdo principal

Orhan Pamuk e a professora de Sumaré

Orhan Pamuk é um escritor turco, agraciado com o Premio Nobel de literatura de 2006. Num de seus livros, Istambul (alguns analistas o apontam como autobiográfico), ele conta que lembra quando foi introduzida na pedagogia da escola em que estudava uma vara longa, que permitia ao professor pespegar varadas nos alunos sem sair da sua cadeira (cátedra, na linguagem antiga). Ele é 4 anos mais novo do que eu, de forma que se pode dizer que somos contemporâneos. Eu lembro do tempo em que estudava em um colégio católico masculino (Colégio São Norberto de Jaú [ou do Jaú, como se dizia], que nós chamávamos de "colégio dos padres", em contraposição ao colégio católico feminino, vizinho, administrado por freiras - Colégio São José, que nós chamávamos de "colégio das freiras"), em que os nossos professores, a maioria padres belgas, da ordem premonstratense, praticavam agressões físicas, consistentes em tapas na orelha ou "coques" na cabeça, contra os alunos indisciplinados (era comum outro castigo físico: escrever 50, 100, 150 páginas de qualquer baboseira, o que obrigava os alunos castigados a se socorrer dos membros da família para cumprir o castigo: a letra saía diferente, mas vá lá...). Não era raro ver os internos (sim, era regime de internato e semi-internato) descerem para as aulas do período matutino com as orelhas rubras de tantos puxões. Por não ter me saído bem (em bom português: fui reprovado), meu pai me transferiu para uma escola pública (Instituto de Educação Caetano Lourenço de Camargo), em que não havia agressões, mas éramos obrigados a usar uniforme e respeitávamos os professores e colegas. Não existia "bullying".
Tudo isso foi substituído por um pretenso diálogo, conversa a não mais poder, mas o passar inflexível do tempo demonstrou que ninguém tem tempo para tanto diálogo: se existem conversas, elas são efêmeras...
Tudo isso me veio à lembrança ao tomar conhecimento da atitude de uma professora de Sumaré que, talvez cansada das traquinagens de um aluno de 12 anos, enviou aos seus pais um bilhete pedindo providências (no tempo a que me referi havia uma caderneta em que eram escritas as notas: havia nota para o comportamento). As providências consistiriam em "conversar com o filho" e "varadas" (ah! Orhan Pamuk), caso isso fosse necessário. Prendeu-me a atenção, também, a péssima grafia da professora, que, sabe-se, não saltou de paraquedas e caiu dentro da escola: ela foi submetida a um concurso público para ser admitida no importante cargo, que percebe mensalmente uma miséria.
E depois eles querem que a pena atinja uma das suas finalidades, a reeducação do condenado: há um constante "pisar em ovos" na educação e quem educa nem está preparado a tanto.
Silvio Artur Dias da Silva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …