Pular para o conteúdo principal

A caça


            Um dos mais densos filmes que já vi, “A caça” é uma produção dinamarquesa do ano de 2012 e tem como tema central algo muito presente: a acusação de crime sexual feita por uma criança – uma aluna, no caso – contra um dos professores da escola em que estuda.
            Tudo se passa num pacato vilarejo dinamarquês em que todos se  conhecem e envolve o professor, que estava saindo de uma separação não muito amigável e que, como consequência, perdera a guarda do filho, e uma aluna, filha de seu melhor amigo. A garotinha, visivelmente interessada nele (ofereceu-lhe um coração embrulhado e atirou-se sobre ele, beijando-o na boca [um “selinho”, quando muito], sendo, porém rechaçada, e, talvez por isso, comunica, sem muita convicção ou precisão, à diretora que o professor mostrou-lhe o órgão sexual. A diretora, a princípio incrédula, interpela-o, também sem muita convicção e sem citar nenhum nome.
            A partir daí tudo evolui como uma bola de neve: a diretora a cada relato acrescenta um detalhe, a garotinha é inquirida e claramente (sem trocadilho: o seu nome é Klara...) induzida, reafirma o que dissera, os moradores do vilarejo começam a isolar o professor, a polícia é acionada, o professor é preso e... não contarei mais para que não se perca a emoção de assistir ao filme.
            Além do tema recorrente – “abuso sexual” de criança -, há outro também recorrente e uma das sete cabeças de Hidra do Direito Penal e do Direito Processual Penal: o depoimento infantil. Tal tema tem motivado o surgimento de tratados acerca da validade de tal depoimento (ou, se for vítima, declarações). O Código de Processo Penal, sabe-se de longa data, não faz restrição ao depoimento infantil, mas, por outro lado, a mente dos infantes são sempre plenas de fantasias que podem leva-los a mentir.
            Ademais, a forma pouco enfática com que o professor reage à acusação chega a irritar o espectador; talvez porque, ciente de que nada fizera e que tudo não passa de um equívoco, e que, posteriormente, tudo se esclareceria, ele não tenha se incomodado tanto com a acusação.
            A vida imita a arte e não o contrário, proclamou há muito tempo Oscar Wilde: nos Estados Unidos houve um episódio, em que algumas pessoas da mesma família, os McMartin, proprietárias de uma escola infantil, foram acusadas de crimes sexuais contra alunos. Alguns foram presos, e o julgamento, que durou aproximadamente 2 anos, resultou num “mistrial”, ou seja, os jurados não chegaram a um veredito. Também aqui as crianças foram claramente induzidas a dizer que haviam sido vítimas de crimes sexuais. A HBO produziu um filme sobre o tema, cujo nome em inglês é “Indictment: The McMartin Trial”, dirigido por Mick Jackson e com James Woods no papel principal. No Brasil tomou o título de “Acusação”. Ótimo.
            E, em São Paulo, no ano de 1994, houve o episódio “Escola Base”, em que também os seus proprietários foram acusados de crimes sexuais contra crianças. O prédio foi destruído, os proprietários presos e depois se demonstrou que tudo não passara de, além de invenção das crianças, precipitação da autoridade policial, que  estava mais preocupada em dar entrevistas do que se apurar a veracidade dos fatos. Um dos proprietários foi indenizado administrativamente (uma lei estadual, da época de Mário Covas, permite isso), recebendo uma quantia em torno de 300 mil reais; o outro preferiu percorrer as vias judiciais e a sua indenização alcançava mais de 1 milhão de reais. Receberá não se sabe quando, pois será sob a forma de precatório. 
           
Foto da fachada da Escola Base - 1994.
           

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto