Pular para o conteúdo principal

Defecando no processo



            Essa atividade fisiológica tão comum, que nos iguala todos, tem uma série de sinônimos, seja apenas em uma palavra, seja em expressões. A palavra mais comum, verbo aliás – e chula, desculpem – é “cagar”. “Fiz uma cagada”, além do ato fisiológico, significa cometer um equívoco. Sinônimas da anterior: "fazer merda". Outra expressão menos chula – e antiga: “fazer o número dois”. Juca Chaves, quanto à sua produção musical, assim se expressava: “as minha obras são feitas no banheiro: as mais longas, sentado; as outras, de pé”. Outra expressão para o ato de defecar: “passar um fax”. Porém, este meio de comunicação está em desuso, substituído que foi pelo e-mail. Não dá para substituir uma expressão pela outra em virtude da lentidão de uma e rapidez da outra. Também o produto da atividade fisiológica tem vários sinônimos e o primeiro faz lembrar Juca Chaves: “obra”. Os antigos diziam: “a criança obrou na calça”. Um chulo: “merda”. Afirmam que os antigos artistas de teatro franceses, quando queriam desejar sorte a um colega que ia se apresentar, diziam “merde”- a Wikipedia tem uma explicação interessante para isso. “Jogar merda no ventilador” é outra expressão muito em voga, que, educadamente, é substituída por esta: “saiu (ou caiu) atirando para todos os lados".
            O título deste trabalho não é para significar que algum profissional do Direito tenha “feito merda” num processo (que, por vezes, muitas vezes aliás é feita pelo réu, ou pelo autor; em geral, todavia, no Direito Penal a “merda” antes do processo é feita sempre pelo réu, sujeito ativo da infração penal). Foi, literalmente, a “cagada” praticada por um acusado num processo que tramitou na comarca de Jaú. O réu, um “pacato cidadão”, foi surpreendido pela polícia portando ilegalmente uma arma de fogo de uso permitido. A infração não era grave e ele era primário e de bons antecedentes, o que motivou a proposta de suspensão condicional do processo (artigo 89 da Lei nº 9.099/95). O feito ficaria suspenso por dois anos, com as condições de praxe, entre as quais a de comparecer mensalmente no fórum para “assinar a carteirinha”. Na verdade, o que se assina é uma folha de comparecimento anexada ao processo. Ele aceitou-a.
            No último comparecimento – o vigésimo quarto -, e a partir daí ele estaria quite com a justiça, ele apanhou o processo, que estava no balcão, e em vez de assinar, atirou-o no chão, abaixou as calças e defecou sobre ele, arrancou uma folha, limpando-se com ela. Literalmente: “cagou” no processo. Instalou-se um corre-corre, ele foi detido, e, como sói acontecer, um cartórário sacou o telefone celular e fotografou a “obra”. Esse cartorário é meu amigo de infância (nasci em Jaú e ali morei até quase os 16 anos) e enviou as fotos.
            Pus-me a pensar: o que teria querido o réu dizer com essa atitude tão insólita e escatológica? Que o sistema punitivo é uma merda? Que ele fez merda portando uma arma de fogo ilegalmente? Talvez alguns anos que ele passasse no divã sendo psicanalisado, numa terapia freudiana (“conhece-te a ti mesmo”), pudesse explicar o ato e entendê-lo. Mas, ao que consta, ele foi novamente processado, e desta vez sem suspensão, não por medo de que ele novamente defecasse nos autos, mas sim porque ele já não era mais um réu com bons antecedentes.  


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …

Tráfico de influência (ou exploração de prestígio)

O Código Penal continha originalmente duas formas do crime de exploração de prestígio, ambas descritas no Título XI da Parte Especial (“crimes contra a Administração Pública”), porém em capítulos diferentes. A primeira modalidade estava no capítulo II desse Título (“crimes praticados por Particular contra a Administração Pública”), mais precisamente no artigo 332, cujo teor era o seguinte: “obter, para si ou para outrem, vantagem ou promessa de vantagem, a pretexto de influir em funcionário público no exercício de função”; a pena era de reclusão, de 1 a 5 anos, mais multa. E o parágrafo único era assim: a pena é aumentada de 1/3 se o agente alega ou insinua que a vantagem é também destinada ao funcionário público”. A outra forma estava descrita no capítulo III (“crimes contra a Administração da Justiça”)do mesmo Título XI; seu conteúdo estava no artigo 357, com a seguinte descrição típica: “solicitar ou receber dinheiro ou qualquer outra utilidade, a pretexto de influir em juiz, jurad…

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…