Pular para o conteúdo principal

O pedreiro de Jales e a indenização pelos roubos


 

            Jales é uma cidade paulista de 48.620 habitantes localizada a 586 km da capital e foi posta em evidência no Brasil em virtude da atitude de um pedreiro. Um seu filho envolveu-se na prática de dois roubos duplamente qualificados (concurso de pessoas e emprego de arma), um contra uma farmácia, outro contra um posto de gasolina. O rapaz foi preso e seu pai, o pedreiro Dorivaldo, procurou o dono da farmácia e o dono do posto propondo-se a indenizá-los. O prejuízo da farmácia foi de 300 reais; o do posto, 900.
            Um dos efeitos civis da sentença penal condenatória é tornar certa a obrigação de indenizar o dano causado pelo crime, conforme está escrito no artigo 91, inciso I, do Código Penal. A partir de uma reforma realizada no Código de Processo Penal no ano de 2008, passou a ser permitido ao magistrado que na sentença condenatória “fixe um valor mínimo para reparação dos danos causados pela infração, considerando-se os prejuízos sofridos pelo ofendido”, conforme o artigo 387, inciso IV.
            Em outras passagens, o Código Penal ora diminui a pena, ora apenas a atenua, para quem repara o ano causado pelo crime. Exemplo de causa de diminuição da pena pela reparação do dano é o arrependimento eficaz, descrito no artigo 16 do código, em que a pena é diminuída de 1/3 a 2/3; todavia, ele não alcança os crimes cometidos com violência ou grave ameaça, como é o caso do roubo. Exemplo de circunstância atenuante está no artigo 65, inciso III, letra “b”: “ter, antes do julgamento, reparado o dano”. Trata-se, como dito, de mera agravante, e a pena fixada não pode ser inferior ao mínimo.
            Mas Dorivaldo não conseguiu ressarcir o farmacêutico: ao levar-lhe os (suados, acredito) 300 reais foi surpreendido pela notícia de que um comerciante da cidade houvera se antecipado e ressarcido a vítima, sob a condição (bíblica) do anonimato. Com o dono do posto a tratativa foi diferente: Dorivaldo assinou 10 promissórias de 90 reais cada uma, vencíveis mensalmente. Aqui, a surpresa foi maior: uma mulher de Blumenau (129 km de Florianópolis) telefonou ao dono do posto, pediu o número da conta bancaria e depositou os 900 reais, também sob a condição de anonimato.
            Num tempo como o de agora, em que a cada semana “estoura” um escândalo envolvendo políticos desviando dinheiro público, com a Polícia Federal promovendo operações e prendendo os envolvidos, em que a coisa pública é tratada como privada (como dizia um humorista antigo, já falecido), a história protagonizada por Dorivaldo mais parece de ficção. Da mesma forma o comportamento das pessoas que ressarciram os danos causados pelos delitos praticados pelo seu filho –  que, registra-se, nesta hora não foi renegado pelo pedreiro. Essas condutas mostram que nem tudo está perdido.Ao menos entre os do povo.
            Dorivaldo estava desempregado, vivendo de “biscates (“bicos”, na linguagem mais atual). E a sua pretensão é muito simples, inversamente proporcional à sua dignidade: ele quer um emprego em que seja registrado, de faxineiro, carpinteiro ou jardineiro: “é mais seguro ser registrado. A gente hoje não paga INSS, nem tem garantia de nada”. Com a popularidade que alcançou, poderia candidatar-se a algum cargo eletivo, com, certamente, polpudos vencimentos. Ledo engano. Ele jamais poderia ser político por faltar-lhe um requisito: a malandragem.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …