Pular para o conteúdo principal

Fátima Bernardes, o policial e o traficante feridos.

 
            Não se sabe exatamente em quê estava pensando a apresentadora Fátima Bernardes quando lançou uma opção: se um traficante e um policial feridos chegassem num hospital quem deveria ser socorrido primeiro? Como se trata de programa de televisão gerado a partir do Rio de Janeiro, a opção foi pelo traficante, como há décadas ocorre (conta-se que o tráfico de entorpecentes na “cidade maravilhosa” foi “liberado” durante o governo Brizola, sendo Secretário da Polícia Civil [ainda não existia Secretaria da Segurança Pública] o penalista Nilo Batista, nos idos de 1987. Neste ano, o então secretário deu uma entrevista à revista ISTOE afirmando que a droga não era problema de polícia: para muitos, foi a senha para a liberação do tráfico). A apresentadora não esclarece qual estava mais ferido, mas isto pouco importa ao debate. Podia em seguida lançar uma campanha “humanitária”: adote um traficante ferido.
            Uma apresentadora que já foi a musa do Jornal Nacional, o tele-noticiário de maior audiência noturna, e que hoje comanda um programa de variedades incondizente com o seu passado lançar uma tolice nessa no ar só pode estar em busca de audiência: no horário, que é matinal, o seu programa deve estar capengando, perdendo no IBOPE para algum programa infantil, quiçá um desenho do (eterno) Pica Pau...
            Mas vamos ao que importa: num conflito de valores entre dois direitos, ambos à vida, deve a pessoa obrigada a agir optar por qual? A doutrina penal brasileira fala pouco ou nada sobre o tema, ao contrário da doutrina alemã que o aborda com profundidade. Claus Roxin, um dos maiores penalistas que já existiram, trabalha com um exemplo muito semelhante: o médico de um Pronto Socorro recebe uma pessoa gravemente ferida e há somente um aparelho para atendimento e ele está sendo utilizado em outra pessoa, cujo estado não é tão grave assim, porém, se ele for retirado dela, morrerá. Qualquer escolha feita pelo médico importará na morte de um dos doentes.
            Diz o penalista alemão que o médico plantonista não poderá fazer a opção de desligar a máquina, já que isso provocará a morte do paciente, e sim atender da forma que puder o doente recém ingressado. Para o mestre germânico, a vida é um valor absoluto, não cabendo optar entre uma ou outra. O seu pensamento ficará mais claro usando-se o Direito Penal brasileiro, no estudo do assunto “estado de necessidade”, descrito no artigo 24 do Código Penal, mais precisamente no exemplo antigamente chamado “tabula unius capax”, em tradução livre a tábua de salvação que suporta o peso de apenas uma pessoa. O exemplo é muito antigo, quando os navios eram construídos com madeira, e um deles naufragava, sobrando entre os destroços uma tábua que comporta apenas uma pessoa. Dois náufragos lutam pela posse dela e um deles mata o outro para se salvar: o direito espera que a contenda se resolva e afasta a punição do que se salvou.
            Para que se constate o tamanho da asneira contida nesse “desafio” lançado pela apresentadora, o médico do hospital não poderia – não deveria, na verdade – optar por socorrer este ou aquele, pois a vida do traficante é tão protegida como a do policial, ou vice-versa, de forma que tendo, na votação, as pessoas optado pela vida do traficante, ficou claro o grave problema moral que assola a sociedade brasileira. Tanto quanto se tivessem optado pela vida do policial: em ambos, o direito à vida é garantido.
            A infeliz “brincadeira” feita pela apresentadora me remete ao nazismo, quando se construiu a teoria das vidas indignas de serem vividas. Como diz a letra da música “Diário de um detento” (Racionais MC’s): “Adolf Hitler sorri no inferno”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …