Pular para o conteúdo principal

Lula e a prisão de Sergio Moro



 
       
     Estourou como um petardo e foi replicado à exaustão: Lula e sua família requereram a prisão do juiz federal Sergio Moro, a quem compete julgar as malfeitorias atribuídas aos requerentes, com base lei específica sobre o tema, a Lei número 4.898/65. O público leigo fica impressionado pelo impacto da manchete, porém quem conhece minimamente as leis penais e processuais penais não consegue reprimir uma gargalhada.
            A lei que rege o assunto – a 4.898/65 – é um legítimo produto da época da ditadura, em que governava o país Humberto Alencar Castello Branco. O espírito da lei era punir os abusos que começavam a ser praticados nos porões (a respeito, deve ser lida a trilogia de Elio Gaspari: A ditadura envergonhada, A ditadura escancarada e A ditadura derrotada, bem como a obra Brasil: nunca mais) e a finalidade não era punir, mas sim apresentar um arremedo de punição. A respeito dessa lei, disse em monografia uma aluna do mestrado da Faculdade de Direito da USP (a famosa São Francisco, ou Arcadas) “que o legislador andou pisando em ovos”, ou seja, criminalizou as condutas com o mínimo de rigor. A ementa dessa lei, que é de 9 de dezembro de1965, assim especifica: “regula o direito de representação e o processo de responsabilidade administrativa,  civil e penal por abuso de autoridade”. Considera a lei (artigo 3º)  abuso de autoridade qualquer atentado à liberdade de locomoção, inviolabilidade de domicílio, ao sigilo de correspondência, à liberdade de consciência e de crença, ao livre exercício de culto religioso, à liberdade de associação, aos direitos e garantias legais assegurados ao exercício de voto, ao direito de reunião, à incolumidade física do indivíduo, aos direitos e garantias legais assegurados ao exercício profissional.
            Pode até ser discutido se o juiz federal, no exercício de sua atividade funcional, violou alguma dessas proibições, porém o que salta aos olhos é que não existe nenhum fundamento a um pedido de prisão. O uso da prisão preventiva, que sempre no Brasil foi um abuso, ficou restringido com o advento da lei que criou os juizados especiais criminais, a de nº 9099/95. Ela criou a categoria das infrações penais de menor potencial ofensivo, em relação às quais não há sequer processo, tudo podendo ser resolvido num “acordo” entre o (apontado) autor do fato e o Ministério Público, chancelado pelo Poder Judiciário. Essas infrações são aquelas às quais é cominada a pena de multa ou privativa de liberdade não superior a 2 anos. Posteriormente, veio uma reforma do Código de Processo Penal, mais precisamente no ano de 2011, em que a prisão preventiva passou a ter um uso muito restrito, funcionando como a última medida a ser tomada, sendo preferível o uso de medidas substitutivas restritivas, e uma das suas facetas é o uso da tornozeleira eletrônica.
            Pois bem: os crimes previstos na lei de abuso de autoridade têm como punição a multa (de 100 cruzeiros a 5 mil cruzeiros, atualizados porém pelo artigo 12 do Código Penal, transformados em dia-multa, no mínimo 10 e no máximo 360, como o valor de cada dia multa em 1/30 do salário mínimo até 5 vezes o salário mínimo), a detenção por 10 dias a 6 meses. Como se vê, são infrações penais consideradas de menor potencial ofensivo, alcançadas, assim, pela lei n º 9099/95.
            Incabível, assim, a decretação de prisão, mesmo que o magistrado fosse condenado. Quanto a Lula, o risco de que seja "enjaulado" é iminente e há fundamentos - fracos, ainda - para decretar a prisão preventiva.
            Quanto ao pedido de Lula e sua família só pode ser dito o seguinte: “you must be joking”...

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto