Pular para o conteúdo principal

Coluna do leitor

Os jornais e revistas têm um espaço destinado às manifestações dos leitores, em que cada pessoa pode expor a sua opinião sobre temas veiculados nesses órgãos.  Inicialmente apenas por carta escrita e posta nos correios, com o advento da internet as manifestações puderam ser feitas por meio eletrônico. Tal espaço é aparentemente democrático. Aparentemente porque há de início uma seleção ("censura") do órgão de imprensa ao qual a manifestação é dirigida, que seleciona as que serão publicadas. É óbvio que algumas cartas são impublicáveis, por conterem grosserias, palavrões, ofensas a pessoas e coisas do gênero. E há órgãos que publicam apenas as que não contrariam a sua linha editorial. Em geral, alguns meios de mídia recebem as correspondências e, publicando-as ou não, simplesmente ignoram o remetente, não o comunicando sequer do recebimento.
Depois de ler algumas dessas correspondências, obtive algumas conclusões:
a) parece que alguns órgãos de imprensa selecionam as piores cartas - não sei atribuir a que motivo -, exatamente as que demonstram um alto grau de ignorância do leitor. Exemplo: um jornal paulista, de enorme circulação, no dia seguinte após Cachoeira exercer, perante os membros da CPMI, o seu direito constitucional de permanecer em silêncio, trouxe como primeira carta de sua coluna do leitor uma manifestação em que a leitora concluía pela culpabilidade do "contraventor". Isto é uma crassa demonstração de ignorância, pois a "lei maior",  a Constituição permite que a pessoa se cale quando indagada sobre assunto que a incrimine. Outras leis garantem isso: o Código de Processo Penal e a Convenção Americana dos Direitos Humano (decreto 678/92). E a ninguém é dado ignorar a lei. Publicar a manifestação e em primeiro lugar parece que foi feito para demonstrar a ignorância da leitora.
b) existem incontáveis professores universitários, pois vários leitores assim se qualificam, mas há um detalhe: pouquíssimos indicam a faculdade ou universidade em que ministram as aulas. E o órgão de imprensa não tem nenhum interesse em questionar o leitor-missivista acerca do local em que exercem a sua profissão.
c) as manifestações, quase sempre, são publicadas em poucas linhas, nitidamente trechos da original e nunca em sua integralidade (a desculpa sempre é a mesma: questão de espaço).
Há outras constatações que poderiam ser expostas, mas, em virtude do espaço que me reservo (como se eu fosse o meu editor e selecionasse trecho que coubesse neste espaço), as exporei em outra oportunidade.
Silvio Artur Dias da Silva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …