Pular para o conteúdo principal

Impunidade

Muito se tem escrito e falado - e muita bobagem, diga-se - acerca do tema "impunidade". As pessoas que abordam o tema na mídia - em geral leigos - pensam que o Direito faz parte do ramo do saber "ciências físicas"(ou "exatas"). Engano: o Direito faz parte, numa divisão muito bem posta por Miguel Reale (em "Filosofia do Direito˜), do ramo das "ciências humanas", melhor dizendo, das ciências compreensivo-normativas. Dizia o maior filósofo do Direito do Brasil (e um dos maiores do mundo) que o Direito não é como como o rei Midas: tudo que é tornado jurídico torna-se obrigatório e, via de consequência, o que é proibido não é praticado. As leis naturais têm uma sanção obrigatória, infalível: se uma pessoa se atirar do 15o andar de um prédio será atraído ao centro da terra; se uma pessoa matar outra ali na esquina poderá ser punido ou não.
Ademais, existem crimes que são de difícil descoberta, seja porque cometidos sem testemunhas nem indícios, seja porque a própria vítima não tem interesse na punição do autor do delito. Exemplo é o aborto consentido: somente é punido quando a interrupção da gravidez provoca alguma complicação à gestante, que a obriga a internar-se e o fato é descoberto. O tráfico de entorpecentes é outro bom exemplo: quem compra a droga não tem interesse na punição do vendedor do tóxico. Não poderia deixar de registrar um crime que é a marca registrada do Brasil, a corrupção passiva, crime clássico do funcionário público que solicita ou recebe vantagem indevida para cumprir a sua função: o corruptor não tem interesse (ou raramente tem) na punição do mau funcionário. Esses crimes - e outros mais, óbvio - quando não são descobertos fazem parte daquilo que um japonês chamou de "campo escuro" ou "cifra negra",  aquela parte da criminalidade que não é punida. Eu poderia chamar, usando uma expressão popular, de "ponta do iceberg": o percentual de criminalidade punido é a ponta do iceberg em muitos casos.   
Essa exposição, penso, tornará mais fácil entender o tema impunidade: é razoável esperar que uma lei não seja cem por cento aplicada.
E há outro aspecto a ser levado em conta e que explica como pode ocorrer a impunidade num nível acima do razoável: a quantidade de leis.  Mas sobre falarei em outra ocasião, abordando inclusive leis que não têm condições de aplicabilidade e leis cuja aplicação depende do Poder Executivo e leis cuja aplicação depende do Poder Judiciário.
Silvio Atur Dias da Silva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …