Pular para o conteúdo principal

A mulher honesta no Código Penal



            O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos.
            O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Filipinas. Um breve histórico: descoberto o Brasil pelos portugueses, as leis do povo descobridor começou a ter aplicação na “nova terra”. Inicialmente, as Ordenações Afonsinas (elas levavam o nome do soberano), depois as Manuelinas, e, finalmente, as Filipinas (Felipe II de Portugal e I de Espanha). Seu Livro V descrevia os delitos e cominava as penas e é possível encontrar a expressão “mulher honesta” (identicamente é encontradiça a expressão “viúva honesta”) em algumas passagens. Uma dela: Título XVIII, parágrafo 3.
            Na lei penal seguinte, o Código Criminal do Império (1.830), entre os “crimes contra a segurança da honra" havia o artigo 222 que tinha a seguinte redação: “ter cópula carnal por meio de violencia ou ameaças, com qualquer mulher honesta”. No código seguinte (1.890), entre os crimes “contra a segurança da honra e honestidade das famílias e do ultraje público ao pudor”,  havia o artigo 268 assim redigido: “estuprar mulher virgem ou não, mas honesta”, com a pena de prisão cellular, de 1 a 6 anos. Já a consolidação das leis penais (1.932) manteve o mesmo artigo, com a mesma redação. Finalmente, o Código Penal de 1940 continuou a empregar a expressão “mulher honesta”.
            Era um tormento aos intérpretes da lei penal quanto ao sujeito (doutrinadores) definir o que se deveria entender por “mulher honesta”. O presidente da Comissão Revisora do Anteprojeto do Código Penal, Nelson Hungria, assim se expressava: “a vítima deve ser mulher honesta, e como tal se entende, não somente aquela cuja conduta, sob o ponto de vista da moral sexual, é irrepreensível, senão também aquela que ainda não rompeu com o minimum de decência exigida pelos bons costumes. Só deixa de ser honesta (sob o prisma jurídico-penal) a mulher francamente desregrada, aquela que inescrupulosamente, multorum libidini patet, ainda não tenha descido à condição de autêntica prostituta” (volume 8, página 143).
            Era uma interpretação enigmática: "mínimo de decência exigida pelos bons costumes”. Além de enigmática, extensiva, e, assim, proibida pelo princípio da reserva legal, contudo, acatada por muitos.
            Porém, aos 7 de agosto de 2009, com a lei nº 12.015, foi feita uma profunda alteração no título que descrevia os crimes que eram chamados de sexuais, a começar pelo nome do bem jurídico tutelado: em vez de “costumes”, como era, passou a ser “contra a dignidade sexual”. A herança portuguesa representada pelo conceito “mulher honesta” foi banida do Código Penal. O “estelionato sexual” continuou a existir (no artigo 215), porém sem qualquer referência à honestidade da mulher. O artigo 216 foi revogado. O 215 ganhou a seguinte redação: “ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com alguém, mediante fraude ou qualquer outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação de vontade da vítima”, com a pena de reclusão, de 2 a 6 anos. Uma observação: anteriormente, somente a mulher honesta podia ser sujeito passivo do crime; depois da reforma, também os homens.         
              
           

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …