Pular para o conteúdo principal

Assédio sexual



            O assédio sexual tornou-se crime no Brasil no ano de 2001, pela Lei nº 10.224, de 15 de maio, definido no artigo 216-A; antes disso, era, claro, um indiferente penal. Alguns anos antes, metade para diante da década de 90, tornou-se um “modismo”, talvez uma paranoia, na “maior democracia do mundo”, os Estados Unidos da América, a tal ponto de os elevadores, que até então eram automatizados, passarem a ter ascensoristas. Inspirou Michael Crichton a escrever um livro, “Revelação”, que foi filmado, exibido no Brasil sob o nome de “Assédio sexual” (direção de Barry Levinson e estrelado por Michael Douglas e Demi Moore, entre outros; produzido no ano de 1994).
            O premio Nobel de Literatura Mario Vargas Llosa nessa época foi convidado a ministrar um curso numa universidade dos Estados Unidos e foi orientado pelo diretor da faculdade em que ministraria o curso a não se aproximar das alunas como – pensava ele – era hábito dos sul-americanos para evitar qualquer possível acusação de assédio. Tocá-las, jamais.
            Assediar, segundo o dicionário Houaiss, tem como um dos significados “perseguir com propostas; sugerir com insistência a; molestar”. Ao ser a conduta transformada em delito, na época “contra os costumes”, mais especificamente “contra a liberdade sexual”, em vez de trazer como verbo do tipo legal, o que seria normal, “assediar”, trouxe outro, semanticamente muito mais forte e impositivo, “constranger”. O texto legal é este: “constranger alguém com o intuito de obter vantagem ou favorecimento sexual, prevalecendo-se o agente da sua condição de superior hierárquico ou ascendência inerentes ao exercício de emprego, cargo ou função”; a pena é de detenção, de 1 a 2 anos. A pena é aumentada de até 1/3 se a vítima for menor de 18 anos (acréscimo introduzido pela Lei nº 12.015, de 7 de agosto de 1009), conforme o parágrafo 2º. É um crime próprio: somente podem cometê-lo as pessoas que preencham a condição de “superior hierárquico ou ascendência inerentes ao exercício de emprego, cargo ou função. O seu parágrafo 1º previa que incorreria na mesma pena quem cometesse o crime: “I – prevalecendo-se de relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade; II – com abuso ou violação de dever inerente a ofício ou ministério”. Foi vetado.
            Comentando o artigo em questão, diz Cezar Roberto Bitencourt (Tratado de Direito Penal, volume 4, página 72), que “a velha e condenável mania nacional de copiar ‘modismos norte-americanos’, atinge seu apogeu com a importação da exótica figura do ‘assédio sexual’ (esta, pelo menos, sem reflexos em nossa combalida balança comercial), símbolo por excelência do falso moralismo dos americanos do norte”. Uma observação que o autor faz é referente ao que foi dito acima: “não entrar sozinho no elevador com alguém do sexo oposto” (página 73).
            Esse exótico delito            dá “traço” na estatística criminal, fornecendo a (equivocada) ideia de que não ocorre. Talvez ele ocorra e as vítimas resolvam não requerer a punição do autor porque, até o ano de 2009, era crime de ação penal privada, ou seja, a vítima deveria contratar um profissional advogado para que o sujeito ativo fosse (possivelmente) punido. Com o advento da lei nº 12.015/09, o crime passou a ser de ação penal pública condicionada, o que equivale dizer, basta que a vítima faça uma representação à autoridade policial, ao Ministério Público ou mesmo ao juiz, para que tenha início a movimentação estatal à punição do suposto autor.
            Curiosamente, o caso mais icônico envolvendo o delito definido no artigo 216-A do Código Penal, envolveu um ministro do Superior Tribunal de Justiça, Paulo Medina, que teria assediado sexualmente uma sua assessora, filha de outro ministro do mesmo tribunal (nepotismo cruzado?). A queixa foi rejeitada, não de forma unânime, pelo Supremo Tribunal Federal (órgão competente para julgar os ministros do STJ), e, 6 anos após a rejeição da inicial acusatória, o ministro Paulo Medina foi aposentado compulsoriamente pelo Conselho Nacional de Justiça, mas por outro motivo: acusado de “vender sentenças” e de receber um milhão de reais para favorecer empresas de caça-níqueis.

(Abaixo, o "link" do acórdão que rejeitou a queixa.)
http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=AC&docID=80678 


           

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto