Pular para o conteúdo principal

Corrupção e crime hediondo

 
            No Código Penal existem duas modalidades de corrupção: a passiva e a ativa. Ambas são crimes contra a Administração Pública (Título XI da Parte Especial). A primeira vem definida no artigo 317 (e está no capítulo I – dos crimes praticados por funcionário público contra a Administração Pública) - do Título XI; a segunda está descrita no artigo 333 do capítulo II (dos crimes praticados por particular contra a Administração Pública) do mesmo título. No Código Penal da República (1890) chamava-se “peita” ou “suborno” e vinha descrita no artigo 214 e 217. Essa palavra -suborno - até os dias atuais é empregada como sinônima de corrupção.
            O conceito de crime hediondo entrou no Direito brasileiro pela “porta” da Constituição de 1988 (a “cidadã”, como gostava de se referir a ela Ulysses Guimarães), mais especificamente pelo artigo 5º, inciso XLIII: “a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia  prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como crimes hediondos, por eles respondendo os mandantes, os executores e os que, podendo evita-los, se omitirem””. De início, pode ser feita uma observação: não é matéria constitucional falar sobre o concurso de pessoas (“os mandantes e os executores”), nem sobre a relevância causal da omissão (“podendo evita-los, se omitirem”).
            Os que seriam definidos como “hediondos” deveriam sê-lo em lei infraconstitucional e alguns projetos foram apresentados; eles estavam “dormitando” nas comissões até que um fato precipitou a  aprovação de um deles: o crime de extorsão mediante sequestro praticado contra um amigo do então presidente da República (Collor), o empresário Rubens Medina (“Rock in Rio”). Aos 24 de julho de 1990 foi aprovada a lei nº 8.072, cuja ementa é a seguinte: “dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do artigo 5º, inciso LXIII, da Constituição Federal e dá outras providências”. Esta expressão “dá outras providências” representou aquilo que o ministro Nélson Hungria chamava de “lançar o disco além da meta”: não apenas definiu os crimes hediondos, como impôs maiores restrições aos condenados por eles, indo além daquilo que dispunha a “lei maior”: por exemplo, fixando o regime integralmente fechado para o cumprimento da pena. Depois dessa vieram outras leis definindo outros crimes como hediondos (apenas como exemplo, a lei “Glória Perez). Não caberiam neste texto. Nenhum doutrinador fez um mísero elogia à lei 8.072/90.
            Durante mais de uma década foi arguida a inconstitucionalidade dessa lei, no ponto em que não permitia a progressão, porém não sob a forma de ADIn, e todas as investidas foram rechaçadas, até que no dia 23 de fevereiro de 2006, em julgamento histórico, por 6 votos a 5, julgando o “habeas corpus” 82.959-SP, requerido por Oséas de Campos, o STF decretou inconstitucional a lei de crimes hediondos no ponto em que ela não permitia a progressão. A Lei nº 11.414, de 28 de março de 2007, modificou a lei de crimes hediondos, estabelecendo que a pena imposta por crime hediondo seria cumprida em regime inicialmente fechado.
            O simples – e cômodo – fato de converter um crime em hediondo não reduz a sua prática e isso ficou demonstrado quando foi sancionada a lei nº 8.072/90: alguns crimes definidos como tal “dispararam” nas estatísticas, tais como a extorsão mediante sequestro e o estupro, sem falar no crime de tráfico ilícito de drogas (apenas como observação: o latrocínio [roubo seguido de morte] aumentou neste semestre no estado de São Paulo). O que faz com que a criminalidade seja diminuída, seja o crime hediondo ou não, é a efetiva aplicação da lei por todos aqueles envolvidos no sistema punitivo: polícia, Ministério Público, Poder Judiciário, sistema carcerário, OAB e Defensoria Pública.
            Somente com uma aplicação efetiva da lei penal é que se conseguirá diminuir a ocorrência de crimes, sejam hediondos ou não.


           

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …