Pular para o conteúdo principal

CNJ etc

"Até as pedras sabem que as corregedorias não funcionam quando se trata de investogar os próprios pares." Esta frase foi dita em tom exaltado pelo ministro Gilmar Mendes quando do julgamento da manutenção ou cassação da medida cautelar ("liminar") concedida pelo ministro Marco Aurélio na ADI n° 4.638, ajuizada pela AMB. Quando Gilmar Mendes pronunciou a frase, em "off" ouvia-se a voz do relator, Marco Aurélio, mas não consegui ouvir corretamente o que ele dizia. Evidentemente, Gilmar Mendes não se referia apenas às corregedorias dos tribunais, mas sim a todas corregedorias, até as administrativas.
Outra frase que entrará para a História foi pronunciada pelo ministro Joaquim Barbosa (que, por duas vezes, viveu situações de confronto, escapando da discussão jurídica, uma com Gilmar Mendes [quando este era presidente do STF], outra com Marco Aurélio): "As decisões do conselho passaram a expor situações escabrosas no seio do poder judiciário nacional".
Hoje pela manhã, bem cedo, saí para fazer a minha caminhada  (como faço de segunda a sexta) e ouvia as manchetes dos noticiários das rádios AM e todas se referiam ao julgamento que "derrubou" a cautelar. Numa das rádios, a Globo AM, quando o noticiarista terminou de ler essa manchete, foi posta no ar uma gravação de aplausos. Esse programa, de que eu ouço partes, é mais humorístico do que sério (chama-se "O show do Antônio Carlos"): na parte séria são lidas notícias.
Outro ponto da ADI ajuizada pela AMB pretendia que os julgamentos de magistrados feitos pelo CNJ ocorressem em sessões fechadas, pretensão rechaçada pelo STF. Esse pedido me fez lembrar de Cesare Bonesana, o Marquês de Beccaria, que, em 1.764, escreveu um opúsculo chamado "Dos delitos e das penas" (cuja leitura deveria ser obrigatória em todas as Faculdades de Direito; oh vã pretensão: uma pesquisa feita entre alunos do ensino médio no Rio de Janeiro mostrou que 14% não leram NENHUM LIVRO NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS), no qual lutava contra a situação que reinava naquela época e uma das suas críticas era contra os julgamentos secretos; ainda me fez lembrar da frase de um ministro da suprema corte dos EUA (lá, o ministro é chamado de "justice"), Louis Brandeis: "a luz do sol é o melhor desinfetante". 
Toda sexta é dia de estreia nos cinemas locais: "O artista" (indicado ao Oscar como filme; "À beira do abismo"; "A separação" (indicado na categoria filme estrangeiro); "Filha do mal" (em que atua uma brasileira, Fernanda Andrade): "Histórias cruzadas" (indicação para melhor atriz e melhor atriz coadjuvante); "Precisamos falar sobre o Kevin".
Silvio Artur Dias da Silva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …