Pular para o conteúdo principal

CNJ etc

"Até as pedras sabem que as corregedorias não funcionam quando se trata de investogar os próprios pares." Esta frase foi dita em tom exaltado pelo ministro Gilmar Mendes quando do julgamento da manutenção ou cassação da medida cautelar ("liminar") concedida pelo ministro Marco Aurélio na ADI n° 4.638, ajuizada pela AMB. Quando Gilmar Mendes pronunciou a frase, em "off" ouvia-se a voz do relator, Marco Aurélio, mas não consegui ouvir corretamente o que ele dizia. Evidentemente, Gilmar Mendes não se referia apenas às corregedorias dos tribunais, mas sim a todas corregedorias, até as administrativas.
Outra frase que entrará para a História foi pronunciada pelo ministro Joaquim Barbosa (que, por duas vezes, viveu situações de confronto, escapando da discussão jurídica, uma com Gilmar Mendes [quando este era presidente do STF], outra com Marco Aurélio): "As decisões do conselho passaram a expor situações escabrosas no seio do poder judiciário nacional".
Hoje pela manhã, bem cedo, saí para fazer a minha caminhada  (como faço de segunda a sexta) e ouvia as manchetes dos noticiários das rádios AM e todas se referiam ao julgamento que "derrubou" a cautelar. Numa das rádios, a Globo AM, quando o noticiarista terminou de ler essa manchete, foi posta no ar uma gravação de aplausos. Esse programa, de que eu ouço partes, é mais humorístico do que sério (chama-se "O show do Antônio Carlos"): na parte séria são lidas notícias.
Outro ponto da ADI ajuizada pela AMB pretendia que os julgamentos de magistrados feitos pelo CNJ ocorressem em sessões fechadas, pretensão rechaçada pelo STF. Esse pedido me fez lembrar de Cesare Bonesana, o Marquês de Beccaria, que, em 1.764, escreveu um opúsculo chamado "Dos delitos e das penas" (cuja leitura deveria ser obrigatória em todas as Faculdades de Direito; oh vã pretensão: uma pesquisa feita entre alunos do ensino médio no Rio de Janeiro mostrou que 14% não leram NENHUM LIVRO NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS), no qual lutava contra a situação que reinava naquela época e uma das suas críticas era contra os julgamentos secretos; ainda me fez lembrar da frase de um ministro da suprema corte dos EUA (lá, o ministro é chamado de "justice"), Louis Brandeis: "a luz do sol é o melhor desinfetante". 
Toda sexta é dia de estreia nos cinemas locais: "O artista" (indicado ao Oscar como filme; "À beira do abismo"; "A separação" (indicado na categoria filme estrangeiro); "Filha do mal" (em que atua uma brasileira, Fernanda Andrade): "Histórias cruzadas" (indicação para melhor atriz e melhor atriz coadjuvante); "Precisamos falar sobre o Kevin".
Silvio Artur Dias da Silva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …

Leis temporárias

Um dos temais nas controvertidos no estudo do Direito Penal, especificamente na aplicação da lei penal, é o referente às leis excepcionais e temporárias. Fugindo ao bom senso (quando ouço alguém, referindo-se ao Direito Penal, dizer que "direito é bom senso", tenho vontade de sair correndo: Direito Penal não é bom senso, Direito Penal decorre exclusivamente daquilo que está escrito na lei: "a fonte única de Direito Penal é a lei", ou, como dizia o ministro Nélson Hungria, "não há Direito Penal vagando fora da lei" [é certo que tal assertiva, modernamente, deve ser entendida em termos: não pode haver a criação de tipos penais incriminadores senão por intermédio da lei, entendida esta em sentido estrito -  não vale medida provisória]), ou melhor, àquilo que o bom senso aconselharia, o Código deu um tratamento muito diferente às leis temporárias e excepcionais, muito diferente do dado às demais leis penais.
É que as leis temporárias ou excepcionais, finaliza…

Tráfico de influência (ou exploração de prestígio)

O Código Penal continha originalmente duas formas do crime de exploração de prestígio, ambas descritas no Título XI da Parte Especial (“crimes contra a Administração Pública”), porém em capítulos diferentes. A primeira modalidade estava no capítulo II desse Título (“crimes praticados por Particular contra a Administração Pública”), mais precisamente no artigo 332, cujo teor era o seguinte: “obter, para si ou para outrem, vantagem ou promessa de vantagem, a pretexto de influir em funcionário público no exercício de função”; a pena era de reclusão, de 1 a 5 anos, mais multa. E o parágrafo único era assim: a pena é aumentada de 1/3 se o agente alega ou insinua que a vantagem é também destinada ao funcionário público”. A outra forma estava descrita no capítulo III (“crimes contra a Administração da Justiça”)do mesmo Título XI; seu conteúdo estava no artigo 357, com a seguinte descrição típica: “solicitar ou receber dinheiro ou qualquer outra utilidade, a pretexto de influir em juiz, jurad…