Pular para o conteúdo principal

Túmulo do samba

O grande compositor Vinicius de Moraes (além de compositor, diplomata), teria dito, certa vez, que São Paulo era o túmulo do samba. Ele, timidamente, tentou adocicar estas palavras. Era conhecido não apenas por suas grandes composições, algumas delas vertidas para outros idiomas (como exemplo: Garota de Ipanema), como pela vida atípica que levava (diz a lenda que ele tomava banho de banheira [comum, na época] ingerindo uísque em grande quantidade: uma banheira de uísque...).
Pois bem: parece que uma parte das escolas de samba que desfilam em São Paulo quer demonstrar que o grande poeta tinha razão. O espetáculo que foi transmitido ao vivo no dia da apuração dos votos, com pessoas invadindo o local da apuração e dilacerando os votos, depois saindo em desabalada carreira, e, para finalizar, ateando fogo em carro alegórico (sem dizer das "voadoras" contra a cerca que limita com a Marginal) foi digno de figurar em qualquer anedotário. Ou boletim de ocorrência.
As escolas de samba do Rio de Janeiro,que foram precursoras desse espetáculo muito bonito para se assistir, sempre estiveram ligadas, como se dizia lá, à "contravenção". Basta citar os nomes de Castor de Andrade e Anísio (Aniz) Abraão David (este último teve, mais uma vez, decretada a prisão provisória), verdadeiros barões (para fazer uma aproximação com o Barão de Drumond, criador do "jogo do bicho"), para que se entenda a ligação do samba com a contravenção (Anísio na Beija-flor de Nilópolis e Castor na Mocidade Independente de Padre Miguel). No Rio de Janeiro nunca houve um espetáculo como o visto em São Paulo (a Polícia e o Ministério Público apuram iregularidades que teriam acontecido com a apuração das escolas do segundo grupo do Rio, mas esta é outra história).
A meu ver, para o espetáculo ocorrido na apuração em São Paulo há um componente que explica: a mistura de samba com futebol, mixagem que não acontece no Rio. A disputa animalesca que acontece no futebol, a partir do momento que em há escolas de samba de torcidas organizadas, é transferida para a passarela, provocando aquilo que se viu na apuração. Perto do que as torcidas fazem em campo, foi até pouco.
Não se pode levar para o sambódromo a disputa que ocorre nos estádios. Isso pode levar o samba para o túmulo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …