Pular para o conteúdo principal

CPI

Há 29 anos ministrando aulas de Direito Penal na Faculdade de Direito da PUCCamp e tendo visto a atuação de várias CPI, há uma pergunta indefectivelmente feitapelos alunos tão logo são inaugurados os trabalhos de uma nova comissão: "vai dar alguma coisa?". Essa pergunta a princípio me irrita e por dois motivos: a] o direito não é ciência da adivinhação, é ciência compreensivo-normativa (Miguel Reale), do dever-ser; b] uma CPI sempre dá alguma "coisa", ainda que seja simplesmente mostrar como um esado de coisas se realizou e quem foram os responsáveis por ele e quais as pessoas que foram por ele beneficiadas.
As pessoas que fazem essa indagação certamente não conhecem os poderes de uma CPI: pensam que são iguais aos do Poder Judiciário, no sentido de até impor uma pena - e de preferência privativa de liberdade - nas pessoas que são investigadas. É necessário esclarecer que uma CPI, como o próprio nome designa, INVESTIGA um fato - ou vários fatos. A comissão tem poderes que se igualam aos do Judiciário, como, por exemplo, decretar a violação ("quebra") dos sigilos bancário, fiscal, telefônico das pessoas investigadas. Eles estão previstos no artigo 58, parágrafo 3o, da Constituição da República Federativa do Brasil. Ao final, serão as conclusões encaminhadas ao Ministério Público "para que promova a responsabilidade civil ou criminal dos infratores". Sim, pois é o Ministério Público o "dono" da ação.
Diversas CPIs fizeram história: a do narcotráfico, que nos idos de 99 passou por Campinas; a do roubo de cargas (que também passou por Campinas), e suas conclusões resultaram em vários processos criminais contra pessoas, inclusive policiais. A do Sistema Carcerário mostrou ao Brasil e ao mundo o estado de abandono e miséria em que vive o sistema carcerário brasileiro. A do "Mensalão" resultou numa ação penal que ainda tramita no STF contra - significativamente - 40 pessoas (lembrando o conto do comerciante Ali Babá, que, ao contrário do que se apregoa, não era o chefe dos ladrões e sim matou-os, auxiliado pela sua fiel empregada Morgiana). E, uma mais antiga, a do PC Farias, resultou no único "impeachment" da História do Brasi. Enfim, sempre "dão alguma coisa".
A atual, para investigar Carlos Cachoeira, tenho a mais absoluta, convicção, "não vai dar nada". Não adquiri poderes mediúnicos. Com um furor inicial quase incontido, querendo investigar até a imprensa (entenda-se VEJA por Collor que recentemente ganhou uma ação de indenização contra a revista no valor de 500 mil reais), e depois de mensagens de celulares enviadas por seu membro para um possível investigado, foi minguando e pela disposição de seus membros investigará quando muito somente o Cachoeira.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …