Pular para o conteúdo principal

Curtas

1) Dias atrás, postei um texto demoninado "Homofobia", em que procurei chamar a atenção sobre o projeto de lei que criminaliza a homofobia, tornando-a uma forma de racismo, o que é desproporcional. Hoje na mídia há a seguinte notícia: "Juristas incluem homofobia como agravante de crimes". Ou seja: no anteprojeto de Código Penal que está sendo elaborado a homofobia não será criminalizada. Agora sim, está sendo respeitado o princípio da proporcionalidade, um verdadeiro "enigma da esfinge", ou uma "tarefa hercúlea", na criminalização de condutas: proteger um valor sem provocar excessos.
2) Escrevi também sobre a CPMI do Cachoeira, que, com absoluta certeza e infelizmente, não "dará em nada": está mais para um "reality show" - para não dizer outra coisa, que seria um circo - do que para uma comissão que pretenda seriamente apurar algo. As emissoras de televisão (nem as oficiais) não tem tido o menor interesse, conforme fizeram em outras oportunidades, em noticiar as sessões ou transmiti-las ao vivo. Estão dizendo que o desinteresse é motivado pelo exercício do direito ao silêncio feito pelos convocados... Resta saber a quem (a quais políticos, aliás) interessa esse exercício do direito ao silêncio.
3) Tenho comentado as novidades que estão surgindo no anteprojeto do Código Penal que está sendo redigido por uma Comissão nomeada pelo presidente do Senado da República; já tenho em mãos o capítulo referente aos crimes contra a vida, numa montagem que traz lado a lado o que consta do código atual e do anteprojeto; em breve comentarei as principais novidades, mas já vou adiantando que são interessantes e de impacto, especialmente quanto à eutanásia e ao aborto.
4) O tenista número um do Brasil perdeu mais uma e de "lavada" (em tênis se diz "pneu"): 6x0 no segundo set. O seu algoz foi Gilles Simon. Num país que teve como número 1 do mundo por 42 semanas o carismático Guga, ter apenas um tenista entre os cem primeiros do mundo é de chorar. Quem viu um vídeo no Youtube em que Lula e seu amigão Sergio Cabral humilham um estudante no Rio de Janeiro entende o pauperismo do nosso país nesse esporte (o então presidente afirma que é esporte de burguesia). O "link" do vídeo está abaixo:

http://youtu.be/1sg0EWNJFNU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto