Pular para o conteúdo principal

Direito ao silêncio

Depois que Carlinhos Cachoeira exerceu o direito constitucionalmente garantido de permanecer em silêncio e ser ofendido por pessoas - os parlamentares - que, supõe-se, deveriam conhecer a lei, chegou a vez os leitores manifastarem a sua ignorância sobre o tema. Deixando-se de lado que um parlamentar tem como uma das primeiras obrigações respeitar a Constituição e, que, portanto, deve conhecê-la, e que a ninguém é dado ignorar a leis (que se aplica aos leitores), algumas palavras sobre o assunto o tornarão mais claro.
A Constituição (é do ano de 1988) tem entre os direitos e garantias fundamentais este:"o preso será informado de seus direitos, entre os quais o de permanecer calado" (inciso LXIII). A norma constitucional fala em "preso", porém tal direito não pode restringir-se apenas a quem está preso e sim a toda e qualquer pessoa que esteja sendo processada criminalmente. A Convenção Americana de Direitos Humanos ("Pacto de San Jose"), posta em vigor no Brasil pelo Decreto 678/92, estabelece, em seru artigo 8 - Garantias Judiciais, letra "g", que toda pessoa "tem o direito de não ser obrigada a depor contra si mesma, nem declarar-se culpada". E, finalmente, o Código de Processo Penal dispõe em seu artigo 186: "depois de devidamente qualificado e cientificado do inteiro teor da acusação, o acusado será informado pelo juiz, antes de iniciar o interrogatório, DO SEU DIREITO DE PERMANECER CALADO E DE NÃO RESPONDER PERGUNTAS QUE LHE FOREM FORMULADAS". Essas normas, obviamente, aplicam-se a todos os processos, inclusive às CPIs e/ou CPMIs.
Esse  é o arcabouço jurídico que permite que qualquer que seja acusado de um crime não seja obrigado a responder nenhuma pergunta, especialmente aquelas que a resposta importar em acusação.
Esse princípio, o de não ser obrigado a fazer prova contra si mesmo, ou de autoacusar-se, em latim é conhecido como "nemo tenetur se detegere" e em inglês "privilege against self incrimination" e é adotado no Brasil há decadas e há décadas vem sendo aplicado pelo Supremo Tribunal Federal. Algumas pessoas, num excesso de cautela, pedem ao STF um "habeas corpus" preventivo para se verem desobrigadas de responder qualquer pergunta formulada pelos membros das CPIs. É que tais comissões atuam de forma tão truculenta que criam um certo temor nos acusados, mas requerer tal medida me parece desnecessária, pois as leis cristalinamente garantem o direito de permanecer calado.
Portanto, quando um parlamentar ofende uma pessoa que exerce tal direito ou um leitor envia correspondência a um jornal chamando o que exerceu o direito de culpado, não sei se é motivo para rir ou para chorar.
É para chorar, na verdade, frente a tanta ignorância.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto