Pular para o conteúdo principal

"Indultos"

A mídia, de forma equivocada, continua chamando as permissões de saída temporária, previstas na Lei de Execução Penal, de "indulto". Demonstra ignorância sobre o tema e não custa muito usar a linguagem da lei, que, convenhamos, não é difícil de entender. Os presos que estão em cumprimento no regime semi-aberto - e dependendo de outros requisitos - têm direito de saírem das colônias (sim, a pena em regime semi-aberto é cumprida em colônia agrícola, industrial ou similar) por até 5 vezes por ano, 7 dias cada saída. Geralmente as saídas dão-se em datas festivas, como o dia das mães, dia dos pais, semana santa, Natal. A isso a mídia dá o nome de "indulto de páscoa", "indulto do dia das mães" e assim por diante. Indulto é um só, o de Natal, e é uma forma de extinção da punibilidade: o condenado indultado deixa de cumprir a pena e, portanto, não precisa retornar ao presídio. Dias atrás vi na televisão acidentalmente (sim, porque jamais assistiria ao programa) um tal "dr. segurança" chamando essas saídas de indulto... De segurança, vê-se, ele não entende nada...
Em geral, entre os presos que saem há infalivelmente alguns que na primeira esquina cometem crime, geralmente contra o patrimônio, e há uma porcentagem dos que não voltam, girando sempre em torno de 6%, um pouco para mais, um pouco para menos. Esses fatos - o cometimento de outro crime e o abandono do cumprimento da pena - têm servido para que alguns setores da imprensa, aqueles que querem aumentar os níveis de audiência falando mal do sistema carcerário, abram manchetes chegando ao ponto de pedir que tais saídas deixem de existir.
Levando em conta que há muitos casais que se divorciam, dentro dessa ordem de ideias será lícito que se proíba o casamento; como há índice de falências, seria lícito pensar em proibir a abertura de novas empresas; deveria proibir-se o uso do cheque, pois há um índice de devolução; e, finalmente, seria louvável proibir o financiamento de veículos, porque o índice de inadimplência é grande.
Perceberam quão tolo é pedir a extinção de um benefício que ajuda na reeducação do condenado simplesmente porque há alguns que não honram o compromisso de retornar ao cumprimento da pena e que, quando saem, cometem crime? Ademais, não retornar e cometer crime durante o cumprimento da pena são faltas graves e poderão acarretar a regressão ao regime fechado.
Silvio Artur Dias da Silva


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …

Tráfico de influência (ou exploração de prestígio)

O Código Penal continha originalmente duas formas do crime de exploração de prestígio, ambas descritas no Título XI da Parte Especial (“crimes contra a Administração Pública”), porém em capítulos diferentes. A primeira modalidade estava no capítulo II desse Título (“crimes praticados por Particular contra a Administração Pública”), mais precisamente no artigo 332, cujo teor era o seguinte: “obter, para si ou para outrem, vantagem ou promessa de vantagem, a pretexto de influir em funcionário público no exercício de função”; a pena era de reclusão, de 1 a 5 anos, mais multa. E o parágrafo único era assim: a pena é aumentada de 1/3 se o agente alega ou insinua que a vantagem é também destinada ao funcionário público”. A outra forma estava descrita no capítulo III (“crimes contra a Administração da Justiça”)do mesmo Título XI; seu conteúdo estava no artigo 357, com a seguinte descrição típica: “solicitar ou receber dinheiro ou qualquer outra utilidade, a pretexto de influir em juiz, jurad…