Pular para o conteúdo principal

Morte digna II

Conforme expus no texto anterior, a eutanásia tem algumas divisões e consiste, sob certo ângulo, em tirar a vida do paciente, seja ministrando-lhe medicamento que lhe abrevia a vida, seja desligando máquina que o mantém vivo. Sob a ótica do Direito Penal brasileiro, tal conduta configurará o crime de homicídio, quiçá qualificado (por exemplo, se a vítima morrer por asfixia, será configurado tal delito contra a vida). Se a vítima estiver sendo mantida viva artificialmente, ou seja, se já ocorreu a morte cerebral, não há mais o valor vida a tutelar, porque, segundo a lei de transplantes, a morte cerebral marca a morte a pessoa, não mais havendo, assim, valor a ser protegido. Alguns países do mundo, como, por exemplo, a Holanda, permitem a eutanásia. A lei é de 2001 e permite que o médico "mate" o paciente. Em 1983 houve um projeto de lei no Brasil permitindo a eutanásia consistente na interrupção do tratamento - desligamento de máquina (ortotanásia).
 Mas a expressão "morte digna" - e quem a cunhou foi o penalista alemão Claus Roxin, não exatamente nestes termos - compreende outra conduta: a de ajudar a pessoa a morrer. Alguns países do mundo permitem não somente a eutanásia, como, també, esta conduta, a de ajudar a pessoa a tirar a própria vida. No Brasil seria auxílio a suicídio (artigo 122 do Código Penal), ainda que seja feita a pedido da vítima. Na Suíça existe uma entidade - Dignitas - que auxilia pessoas a tirarem a própria vida. Houve extensa matéria sobre o tema. E o estado do Oregon (EUA) aprovou uma lei que permite esse tipo de auxílio, sem que tal conduta seja considerada delituosa. Foi uma árdua campanha, com coletas de assinaturas, para que o projeto de lei fosse apresentado e aprovado. Há um documentário sobre ele e é impressionante: inicia-se com pessoas de uma ONG ministrando uma substância a alguém que está doente e quer morrer; a pessoa está lúcida, cercada de parentes, apanha a bebida, ingere-a e suavamente (eutanásia deriva de uma palavra composta grega que significa "morte boa", "morte suave") aguarda a morte. Quem se interessa pelo assunto não pode deixar de assistir a esse filme (para infomação: http://www.imdb.com/title/tt1715802/ - talvez esteja disponível na internet).
Não importa somente que a pessoa tenha uma vida digna (a dignidade da pessoa humana é um dos pilares do Estado Democrático de Direito no Brasil): é necessário também que ela tenha uma morte digna, ou, como diz Roxin: "levando em conta sua vontade presumida, no sentido de proporcionar-lhe uma morte em consonância com a sua noção de dignidade humana" (em caso de pessoa que não possa manifestar a sua vontade, por estar em estado de coma, por exemplo).
Silvio Artur Dias da Silva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …