Pular para o conteúdo principal

Morte digna II

Conforme expus no texto anterior, a eutanásia tem algumas divisões e consiste, sob certo ângulo, em tirar a vida do paciente, seja ministrando-lhe medicamento que lhe abrevia a vida, seja desligando máquina que o mantém vivo. Sob a ótica do Direito Penal brasileiro, tal conduta configurará o crime de homicídio, quiçá qualificado (por exemplo, se a vítima morrer por asfixia, será configurado tal delito contra a vida). Se a vítima estiver sendo mantida viva artificialmente, ou seja, se já ocorreu a morte cerebral, não há mais o valor vida a tutelar, porque, segundo a lei de transplantes, a morte cerebral marca a morte a pessoa, não mais havendo, assim, valor a ser protegido. Alguns países do mundo, como, por exemplo, a Holanda, permitem a eutanásia. A lei é de 2001 e permite que o médico "mate" o paciente. Em 1983 houve um projeto de lei no Brasil permitindo a eutanásia consistente na interrupção do tratamento - desligamento de máquina (ortotanásia).
 Mas a expressão "morte digna" - e quem a cunhou foi o penalista alemão Claus Roxin, não exatamente nestes termos - compreende outra conduta: a de ajudar a pessoa a morrer. Alguns países do mundo permitem não somente a eutanásia, como, també, esta conduta, a de ajudar a pessoa a tirar a própria vida. No Brasil seria auxílio a suicídio (artigo 122 do Código Penal), ainda que seja feita a pedido da vítima. Na Suíça existe uma entidade - Dignitas - que auxilia pessoas a tirarem a própria vida. Houve extensa matéria sobre o tema. E o estado do Oregon (EUA) aprovou uma lei que permite esse tipo de auxílio, sem que tal conduta seja considerada delituosa. Foi uma árdua campanha, com coletas de assinaturas, para que o projeto de lei fosse apresentado e aprovado. Há um documentário sobre ele e é impressionante: inicia-se com pessoas de uma ONG ministrando uma substância a alguém que está doente e quer morrer; a pessoa está lúcida, cercada de parentes, apanha a bebida, ingere-a e suavamente (eutanásia deriva de uma palavra composta grega que significa "morte boa", "morte suave") aguarda a morte. Quem se interessa pelo assunto não pode deixar de assistir a esse filme (para infomação: http://www.imdb.com/title/tt1715802/ - talvez esteja disponível na internet).
Não importa somente que a pessoa tenha uma vida digna (a dignidade da pessoa humana é um dos pilares do Estado Democrático de Direito no Brasil): é necessário também que ela tenha uma morte digna, ou, como diz Roxin: "levando em conta sua vontade presumida, no sentido de proporcionar-lhe uma morte em consonância com a sua noção de dignidade humana" (em caso de pessoa que não possa manifestar a sua vontade, por estar em estado de coma, por exemplo).
Silvio Artur Dias da Silva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto