Pular para o conteúdo principal

Santo Ivo

"Sanctus Ivo erat brito/advocatus et non latro/res miranda populo".
Santo Ivo é o padroeiro dos advogados. A data - 19 de maio (de 1303) - é a da sua morte. Segundo a Wikipedia, "com sua sabedoria, imparcialidade e espírito conciliador, desfazia as inimizades e conquistava o respeito até dos que perdiam as causas. A defesa intransigente dos injustiçados e dos necessitados deu-lhe o título de advogado dos pobres, um título que continuou merecendo ao tornar-se sacerdote e ao construir um hospital, onde cuidava dos doentes com as suas próprias mãos" (no verbete Santo Ivo).
Os advogados são os únicos profissionais que têm 3 datas comemorativas: o dia de Santo Ivo, o dia 11 de agosto, que é o da criação dos cursos jurídicos no Brasil (1.827), erroneamente - e por muitos, inclusive pela OAB, que promove um jantar de congraçamento - chamada de "dia do advogado" (os alunos a conhecem e festejam como "dia do pindura"), e o dia 8 de dezembro que é o dia da Justiça.
Há algo a comemorar? Se se olhar pelo ângulo da OAB, há, e muito: com um exame de admissão que reprova aproximadamente 80% na primeira fase, a OAB merece os parabéns, pois tem "barrado" milhares de bachareis "despejados" por faculdades cuja única finalidade é o lucro (elas seguem a visão do Banco Mundial: ensino superior é "mercadoria"). Ainda pelo ângulo da OAB/SP: uma CAASP efetivamente atuante, auxiliando os profissionais.
Apenas para não esquecer: "o advogado é indispensável à administrção da justiça" (artigo 133 da CRFB). Sem nenhuma dúvida.
O versículo que abre este texto tem a seguinte tradução: "Santo Ivo era bretão/advogado e não ladrão/causa de admiração". O motivo da admiração é ambíguo: por ele ser bretão e advogado ou por ser advogado e não ladrão (ao mesmo tempo)? Indago isto porque na semana que antecede a comemoração do padroeiro, dois advogados estiveram na mídia por estarem envolvidos em crime: o primeiro preso em flagrante delito por tentar adquirir um milhão de litros de etanol pagando com dinheiro falso (um milhão e meio em notas falsas de cinquenta reais - algumas delas das antigas); o outro, investigado por ser suspeito de haver surrupiado um bilhete de loteria premiado de um aposentado - o "causídico" sacou o dinheiro do premio dizendo candidamente que o bilhete lhe fora dado como pagamento de honorários.
Cada qual interprete conforme queira.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto